sicnot

Perfil

País

CDS diz que Governo é "projeto radical social-comunista" com "tralha socrática"

O vice-presidente da bancada do CDS-PP Telmo Correia defendeu esta quinta-feira que o Governo liderado por António Costa, "além da tralha socrática" carateriza-se por ser "um projeto radical social-comunista".

"Para além da tralha socrática, o que temos é um Governo social-comunista. Nós governámos ao centro, fizemos campanha eleitoral ao centro, ganhámos as eleições ao centro e é ao centro que seremos oposição a este projeto radical social-comunista", declarou Telmo Correia. (Arquivo)

"Para além da tralha socrática, o que temos é um Governo social-comunista. Nós governámos ao centro, fizemos campanha eleitoral ao centro, ganhámos as eleições ao centro e é ao centro que seremos oposição a este projeto radical social-comunista", declarou Telmo Correia. (Arquivo)

SIC

"Para além da tralha socrática, o que temos é um Governo social-comunista. Nós governámos ao centro, fizemos campanha eleitoral ao centro, ganhámos as eleições ao centro e é ao centro que seremos oposição a este projeto radical social-comunista", declarou Telmo Correia.

Telmo Correia justificou a apresentação de uma moção de rejeição pelo PSD e CDS e argumentou que PCP e BE não mudaram e que foi o PS quem se radicalizou, usando as palavras do primeiro-ministro, António Costa, segundo o qual o acordo com aqueles partidos fez cair um muro como 40 anos.

"Não caiu muro nenhum, o muro ideológico está lá, tão sólido como sempre, o muro não caiu, o que caiu foi o PS para o outro lado do muro. E é por isso que a apresentação [da moção de rejeição] é uma decorrência lógica da nossa posição política"", afirmou.

Além de considerar que se trata de uma solução ilegítima, de discordar das suas opções e defender que o Programa de Governo "contém um risco sério para Portugal", Telmo Correia lembrou que, sem a moção de rejeição ele não seria votado.

"E uma vez que o senhor primeiro-ministro não teve a coragem de apresentar uma moção de confiança, ele não seria sequer votado. Por isso, a moção de rejeição é um exercício de transparência e de clareza política. Contrasta com os vossos acordos separados e à porta fechada", argumentou.

Tal como o líder do CDS-PP, Paulo Portas, e o presidente da bancada, Nuno Magalhães, haviam feito durante o debate do Programa do XXI Governo Constitucional, também Telmo Correia iniciou a sua intervenção de encerramento dirigindo-se a António Costa como "primeiro-ministro não-eleito".

Telmo Correia revisitou um confronto parlamentar com António Costa em 2002 em que o atual primeiro-ministro se referia ao CDS como um banquinho que o PSD usa para ficar mais alto e adaptou a imagem às atuais circunstâncias.

Agora, afirmou deputado centrista há "dois banquinhos, um deles com uma perna falsa, separados entre si, e o primeiro-ministro de agora, muito mais pequenino do que o primeiro-ministro da altura, [está] numa jigajoga a ver se se equilibra a qualquer custo"".

Telmo Correia usou a intervenção no encerramento do debate do Programa de Governo para, mais uma vez, reiterar que o CDS não ajudará no futuro o PS se este vier a precisar.

"Desenganem-se. Os senhores escolheram o rumo, escolheram os vossos 'compagons de route', o trajeto e a velocidade. Boa viagem, que não haja acidentes, até porque os vossos acidentes e as vossas imprudências, normalmente, quem tem de as pagar são os portugueses", afirmou, recusando que os centristas sejam responsabilizados pelas opções deste executivo.

Lusa

  • "Temos de jogar melhor do que frente à Espanha"
    0:45
  • Ronaldo é o jogador que mais preocupa os marroquinos
    2:35
  • Recorda-se de Tahar? O ex-futebolista marroquino que já jogou em Portugal
    6:10
  • "Somos 11 milhões, queremos ser campeões e as russas são grandes canhões"
    3:54
  • Denis Cheryshev: o orgulho dos anfitriões

    Mundial 2018 / Rússia

    O avançado Denis Cheryshev foi eleito o Homem do Jogo entre Rússia e Egito, que os russos venceram por 3-1. Marcou o segundo golo dos anfitriões, o terceiro em nome próprio no Mundial e juntou-se a Cristiano Ronaldo no topo da lista de melhores marcadores. Aos 27 anos e a jogar o primeiro Mundial da carreira, Cheryshev continua a assumir-se como um dos principais rostos da esperança russa para o sucesso desta campanha. Depois de já ter sido o melhor em campo no triunfo sobre a Arábia Saudita, a nação anfitriã vê-o como uma espécie de porta-estandarte do orgulho russo na defesa da pátria.

  • Gato Achilles acerta no resultado do Rússia-Egito

    Desporto

    O gato Achilles é o adivinho dos jogos do Mundial na Rússia. Depois de ter acertado na vitória da Rússia frente à Arábia Saudita, o felino voltou a apostar na equipa certa, com os russos a vencerem esta terça-feira o Egipto por 3-1.

  • Os momentos que marcaram o 6.º dia de Mundial
    0:58
  • Ronaldo no País dos Sovietes: O espetáculo fora das quatro linhas
    2:30
  • "Quando o Cristiano Ronaldo te convidar para almoçar, recusa"

    Desporto

    Na possibilidade de ser convidado por Cristiano Ronaldo para um almoço ou jantar, recuse. Este é o conselho de Patrice Evra, que revelou o "sofrimento" que passou quando aceitou almoçar em casa do capitão da seleção nacional, na altura em que ambos jogavam pelo Manchester United. O jogador francês falou sobre a comida "demasiado saudável" e o exercício que acabou por ter de fazer, enquanto podia estar a descansar.

    SIC

  • "Quero ir com a minha tia", o desespero das crianças afastadas dos pais nos EUA
    2:11

    Mundo

    A nova política de imigração de Donald Trump está a suscitar reações indignadas. Na fronteira com o México, as crianças refugiadas estão a ser retiradas à força aos pais e levadas para centros de acolhimento. Esta terça-feira, foi divulgado um registo áudio de uma criança a suplicar pelos pais a um dos agentes da polícia fronteiriça.

  • Protecionismo de Trump abala Wall Street

    Economia

    Abalada pela exacerbação das disputas comerciais entre os EUA e a China, a bolsa nova-iorquina encerrou esta terça-feira em baixa, com o seletivo Dow Jones a fechar em queda pela sexta sessão consecutiva.