sicnot

Perfil

País

Jerónimo de Sousa adverte que PCP não fará "favores a ninguém"

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, assegurou hoje que o partido irá honrar o compromisso com o PS, mas advertiu que não fará favores a ninguém e que não abdicará de defender os interesses dos trabalhadores.

M\303\201RIO CRUZ

"Da parte do PCP o que o PS pode esperar é empenho e honra na palavra dada. Agora, não peçam é que abdiquemos do nosso projeto ou da nossa identidade", ressalvou o líder comunista.

Jerónimo de Sousa, que falava num almoço com militantes em Aveiras de Cima, Azambuja, recordou o processo negocial com o atual governo e congratulou-se com o facto de ter conseguido incluir no programa algumas propostas que podem "ajudar a mudar a vida dos portugueses".

"O PS estava com os pneus em baixo e depois de ouvir o PCP percebeu que era possível dar corpo a uma solução política. É pouco e limitado mas o povo português também não estava à espera que fosse tudo feito de uma vez. Agora, também não queríamos que fosse tão pouco para ficar tudo na mesma", sublinhou.

No entanto, o líder comunista reconheceu que o caminho com o novo Governo "não será linear e simples", dadas as "contradições ideológicas" entre os partidos.

Jerónimo de Sousa criticou também a coligação PSD/CDS-PP, acusando-os de terem dito "mentirolas" ao longo de toda a campanha eleitoral, evitando assim terem uma derrota mais expressiva nas eleições.

"Se tivessem dito toda a verdade sobre a sobretaxa e sobre o Banif a pancada teria sido maior", atestou.

O secretário-geral do PCP acusou igualmente alguns comentadores de "direita" de odiarem o PCP por terem estragado a festa à coligação e a Cavaco Silva.

"Ninguém nos tira a alegria de ter visto a derrota do CDS e do PSD. Estragámos a festa e os cenários de Cavaco Silva. Daí a raiva e a zanga de muitos comentadores de serviço para com o PCP, sendo que não é a mesma para com o PS ou Bloco de Esquerda", apontou.

Por fim, Jerónimo de Sousa apelou aos militantes o apoio à candidatura de Edgar Silva, realçando o facto de ser o único que "convoca para os valores de abril e para o cumprimento da Constituição".

"Amanhã vamos entregar no tribunal mais assinaturas para este candidato do que entregámos nas últimas duas eleições. Isso é um bom sinal", perspetivou.

Lusa

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalaram-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.