sicnot

Perfil

País

Portugal caiu dez lugares na luta contra alterações climáticas

Portugal desceu dez lugares no desempenho contra as alterações climáticas, passando a ocupar o 19º lugar entre os 58 países mais industrializados, segundo o índice "Climate Change Performance Index", apresentado hoje na Cimeira do Clima (COP21), em Paris.

Francisco Ferreira considerou que o relatório deixa "uma leitura muito clara" da necessidade de uma "aposta maior nas energias renováveis" e de uma "atenção grande para evitar" os incêndios (Arquivo)

Francisco Ferreira considerou que o relatório deixa "uma leitura muito clara" da necessidade de uma "aposta maior nas energias renováveis" e de uma "atenção grande para evitar" os incêndios (Arquivo)

© Rafael Marchante / Reuters

A classificação baseou-se na comparação do desempenho de 58 países que são responsáveis, no total, por mais de 90% das emissões mundiais de dióxido de carbono atuais, explicou à Lusa Francisco Ferreira, um dos 300 peritos mundiais consultados no estudo da organização não-governamental ambiental GermanWatch e da Rede Europeia de Ação Climática.

"A razão da descida desses dez lugares está diretamente relacionada com as emissões. Fomos bastante penalizados em relação aos novos dados que surgiram da FAO [agência das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura] no que respeita à desflorestação e à degradação da floresta. Fomos fortemente penalizados pelos incêndios que ocorreram em 2013", explicou à Lusa, em Paris, Francisco Ferreira.

O professor do Centro de Investigação em Ambiente e Sustentabilidade da Universidade Nova de Lisboa apontou, ainda, como razões da queda o uso de "bastante carvão na produção de eletricidade" e o facto de Portugal ter tido, em 2013, "um abrandamento significativo" no uso de energias renováveis ainda que o país tenha tido uma melhoria no peso que as renováveis têm na energia primária.

Por outro lado, Portugal foi penalizado em termos de eficiência energética porque o produto interno bruto "até chegou a diminuir aquando da recessão económica", mas a quantidade de energia utilizada não diminuiu ao mesmo ritmo, ou seja, não houve "ganhos de eficiência".

Ainda que o país tenha melhorado na avaliação à política climática nacional graças ao recente Quadro Estratégico aprovado e ao Plano Nacional para as Alterações Climáticas, Portugal sai penalizado à escala internacional pelos atrasos na formalização do Fundo Verde do Clima.

"Portugal há dois anos, em Varsóvia, tinha assumido ser um campeão na área da eficiência energética. Infelizmente, não tivemos os progressos que seriam desejáveis, apesar de, à escala europeia termos sido o país que defendeu metas mais ambiciosas para a redução de emissões, para as energias renováveis e para a eficiência energética aquando da definição do pacote para 2030", continuou o especialista.

Portugal caiu dez lugares na luta contra alterações climáticas e de uma "atenção grande para evitar" os incêndios, estando otimista quanto à possibilidade de Portugal voltar aos lugares cimeiros do índice.

"Deixámos de estar no grupo dos bons. Passámos ao chamado grupo amarelo, o grupo dos moderados. Penso que Portugal tem capacidade de voltar a fazer - ou de continuar as opções certas que já fez em determinadas alturas e que depois viriam a ter os seus resultados - num futuro mais próximo", concluiu o especialista, considerando que "com o novo governo é uma excelente chamada de atenção para não deixar cair algumas opções climáticas na área da mitigação" e "na área da adaptação no que diz respeito aos incêndios".

Pelo quinto ano consecutivo, o "Climate Change Performance Index" é liderado pela Dinamarca que ocupa o quarto lugar, visto que o índice não atribui os três primeiros postos por considerar não haver nenhum país merecedor do pódio no que respeita à proteção do clima.

A COP21, que decorre até sexta-feira, reúne em Paris representantes de 195 países, que tentarão alcançar um acordo vinculativo sobre redução de emissões de gases com efeito de estufa que permita limitar, até 2100, o aquecimento da temperatura média global da atmosfera a dois graus centígrados acima dos valores registados antes da revolução industrial.

Lusa

  • Governo prepara projeto para suavizar transição para a reforma
    1:38

    Economia

    O Governo quer suavizar a transição do trabalho para a reforma. A ideia é que essa passagem seja feita gradualmente e não de um dia para o outro, o que pode ser mais traumático. O projeto prevê a possilidade de o trabalhador cumprir meio horário e acumular com meia pensão.

  • Portugal pode perder parte dos fundos comunitários
    2:21

    Economia

    Portugal arrisca-se a perder parte dos fundos comunitários atribuídos ao país, se não acelerar a execução dos programas que têm comparticipação de Bruxelas. A notícia é avançada pelo jornal Público, que revela que o país ainda está longe de cumprir as metas mínimas. O Executivo desdramatiza e acredita que serão cumpridas até ao final do ano. O Governo diz mesmo que Portugal deverá ser um dos países com melhores taxas de execução.

  • Proteína tóxica que se acumula no cérebro pode ser uma das causas do Alzheimer
    2:33

    País

    Uma proteína tóxica que se acumula no cérebro pode ser uma das causadoras do Alzheimer. A revelação, feita pelo prémio Nobel da Medicina de 2014, será discutida no terceiro dia da cimeira mundial sobre doenças neurodegenerativas na Fundação Champalimaud, em Lisboa. A partir de hoje, serão apresentadas novidade nas investigações científicas sobre a epidemia silenciosa, que atinge 50 milhões de pessoas em todo o mundo.

  • Primeiro discurso de Costa na ONU alinhado com o de Guterres

    País

    O primeiro-ministro, António Costa, proferirá hoje o seu primeiro discurso na Assembleia Geral das Nações Unidas, devendo estar muito alinhado com a agenda política apresentada na terça-feira pelo secretário-geral da ONU, António Guterres, valorizando o multilateralismo.