sicnot

Perfil

País

Morreu Maria Eugénia Cunhal, irmã de Álvaro Cunhal

A irmã mais nova do antigo líder comunista Álvaro Cunhal, Maria Eugénia Cunhal, também militante do PCP, jornalista e escritora, morreu hoje, aos 88 anos, informou o secretariado do Comité Central daquele partido.

Os dirigentes comunistas expressam "profunda mágoa e tristeza" pelo falecimento de Eugénia Cunhal, pessoa com "uma vida dedicada à luta contra o fascismo, pela liberdade, contra a exploração capitalista, pela democracia, pela paz, o socialismo e o comunismo", dirigindo "aos seus filhos, neta e restante família, as suas sentidas condolências".

O corpo de Maria Eugénia Cunhal, nascida em 17 de janeiro de 1927 - uma dos três irmãos de Cunhal - estará em câmara ardente na sociedade "Voz do Operário", em Lisboa, a partir das 11:00 de sexta-feira. A cerimónia fúnebre, que culmina no cemitério do Alto de São João, começará pelas 11:00 de sábado, até à cremação, prevista pelas 12:00.

Maria Eugénia Cunhal, 14 anos mais nova que o histórico secretário-geral comunista, falecido em 2005, pertencia ao setor Intelectual (Artes e Letras) da Organização Regional de Lisboa do PCP, foi detida pela polícia política do Estado Novo aos 18 anos, sendo ainda presa para interrogatórios noutras ocasiões, enquanto Álvaro Cunhal se encontrava na clandestinidade.

Professora, tradutora, jornalista e escritora foram as suas ocupações profissionais, tendo publicado as obras "O Silêncio do Vidro" (1962), "História de Um Condenado à Morte" (1983), "As Mãos e o Gesto" (2000), "Relva Verde Para Cláudio" (2003) e "Escrita de Esferográfica" (2008), além da primeira tradução para Português dos contos de Tchekov, "Os Tzibukine" (1963).

Lusa

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.