sicnot

Perfil

País

Cardeal patriarca diz que vinda de refugiados pode ser oportunidade

O cardeal patriarca de Lisboa, Manuel Clemente, defendeu hoje que a vinda de refugiados para Portugal pode ser uma oportunidade para ambas as partes e pediu uma resposta imediata e uma atitude mais resoluta na recolocação destas pessoas.

D. Manuel Clemente, cardeal Patriarca de Lisboa (Lusa/Arquivo)

D. Manuel Clemente, cardeal Patriarca de Lisboa (Lusa/Arquivo)

PAULO CUNHA

Em declarações aos jornalistas, no final de uma visita às instalações do Serviço Jesuíta aos Refugiados (SJR), em Lisboa, o cardeal patriarca apontou que tem havido "alguma demora", por parte das várias entidades europeias, no processo de recolocação.

"Há certamente questões de segurança, há coisas por resolver, mas temos de responder (...). São situações dramáticas, trágicas, muitas vezes, e precisam de resposta imediata. Temos de ser todos mais resolutos nisso", defendeu Manuel Clemente.

Já o diretor-geral do SJR disse mesmo que tem havido alguma insensibilidade e inércia por parte das autoridades europeias em relação a esta matéria, apontando não só falta de "uma vontade política mais determinada", mas também um modelo que não tem os recursos necessários e não acompanha as dinâmicas dos fluxos migratórios.

"A alternativa podia ser o exemplo canadiano e o inglês, que são exemplos mais felizes, porque quer o Canadá quer o Reino Unido tomaram a iniciativa de ir com o ACNUR [Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados] aos países de trânsito, no caso o Líbano, e aí fazer a reinstalação diretamente", apontou André Costa Jorge.

No entender do responsável, a opção que a União Europeia tem tomado até agora é uma "opção defensiva", "tímida, burocrática, de longo processo de decisão", em contraposição à opção do Reino Unido e do Canadá, que classificou de mais "proativa".

"O facto de ir a esse país [de trânsito] tem um aspeto muito positivo porque (...) consegue ver no terreno as maiores necessidades, as maiores vulnerabilidades, consegue desde logo fazer até um trabalho preparatório no processo de reinstalação e reduz os riscos associados à viagem (...) e de estarem sujeitos aos traficantes", sublinhou o diretor-geral do JRS.

Já o cardeal patriarca de Lisboa aproveitou para sublinhar que a vinda de refugiados para Portugal pode mesmo ser uma oportunidade.

"Uma oportunidade para quem chega e uma oportunidade para nós porque julgo que também vamos crescer com esta realidade porque tudo isto serve para nos abrirmos mais aos outros e fazermos dos problemas dos outros também problemas nossos", apontou Manuel Clemente.

Questionado sobre os acontecimentos de Paris, em que vários ataques suicidas fizeram cerca de 130 mortos, Manuel Clemente disse estar preocupado com "certos movimentos de opinião pública e até eleitorais".

"Temos de reforçar mais a nossa atitude de esclarecimento e de compromisso, numa solução que seja verdadeiramente humanitária, que é a única que nos serve a todos", defendeu.

Lusa

  • Pagaram 10 libras por diamante que vale milhares

    Mundo

    Há 30 anos um comprador adquiriu um anel de diamantes de 26.27 quilates por apenas 10 libras (cerda de 11 euros) numa feira em Isleworth, no oeste Londres. O proprietário passeou durante três décadas com uma peça que valia cerca de 350.000 libras (407.000€) e não sabia. Confessa que até a usava durante as tarefas domésticas.

    SIC

  • Leão-marinho arrasta criança de doca em Vancouver
    0:51

    Mundo

    O momento em que um leão-marinho arrasta uma menina para a água foi gravado e publicado na internet. Sem nada que fizesse prever, o animal puxou a criança que estava sentada numa doca em Vancouver, no Canadá. A criança foi resgatada de imediato por um familiar e apesar do susto não sofreu ferimentos. O momento de aflição foi testemunhado por vários turistas.

  • Caçador morre esmagado por elefante

    Mundo

    Um famoso caçador morreu na sexta-feira após ser esmagado por um elefante quando estava a caçar. A morte foi confirmada pelas autoridades do Zimbabué, que adiantaram ainda que o animal foi morto por um dos caçadores do grupo de Theunis Botha.