sicnot

Perfil

País

Fenprof reúne-se na quarta-feira com o novo ministro da Educação

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) reúne-se na quarta-feira com o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, para discutir uma solução para os professores do ensino artístico especializado com ordenados em atraso, entre outros assuntos.

Lusa

"Temos reunião com o ministro da Educação no dia 16 [quarta-feira] e vamos aguardar até lá por uma resposta" aos problemas dos professores com ordenados em atraso, revelou hoje à agência Lusa o secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira, no final de um encontro com professores e a direção do Conservatório Regional de Évora.

Segundo o dirigente sindical, na reunião, agendada para quarta-feira, às 09:30, na sede do Ministério da Educação, vão estar também em cima da mesa assuntos como a Prova de Avaliação de Capacidades e Conhecimentos (PACC) ou a requalificação profissional dos docentes.

Mas, a questão dos professores das escolas de ensino artístico especializado com ordenados em atraso "está à cabeça de qualquer problema" no encontro da próxima semana, frisou, lembrando que "é um problema que tem a ver com a vida das pessoas".

Mário Nogueira adiantou que o pré-aviso de greve dos professores das escolas de ensino artístico especializado "só será entregue" no dia 18, após a reunião com o ministro da Educação, depois de saber se "ainda se justifica" a paralisação, com início previsto para 04 de janeiro.

"Se o problema não for resolvido durante este mês, a partir de janeiro, e por tempo indeterminado, teremos um pré-aviso de greve que permitirá que os professores que não têm dinheiro para se deslocar possam entrar em greve", disse.

O secretário-geral da Fenprof voltou a defender a criação de "uma linha de crédito no valor exato dos salários que estão em atraso", sendo que quando fosse desbloqueado o financiamento "as escolas repunham esse dinheiro, mas sem pagar juros".

Outra possibilidade, segundo o sindicalista, passa por o Ministério da Educação solicitar "um visto tácito" ao Tribunal de Contas para desbloquear as verbas enquanto são analisados os processos enviados pela Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares (DGEstE).

"Os vistos do Tribunal de Contas não puderam ser passados porque a DGEstE mandou documentos incorretamente preenchidos e foram todos devolvidos", vincou, acusando a equipa do ex-ministro Nuno Crato de "irresponsabilidade e incompetência".

Mário Nogueira realçou que o Ministério da Educação informou a Fenprof de que "antes de fevereiro [de 2016] o problema não está resolvido".

No caso do Conservatório Regional de Évora, o sindicalista indicou que a escola "tem problemas gravíssimos" e que "tem por receber 200 mil euros", verba que "pode pôr em causa o seu próprio funcionamento".

Lusa

  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • ONU estima que mais 750 mil civis estejam em risco na cidade de Mossul
    1:39

    Mundo

    As Nações Unidas estimam que mais 750 mil civis estejam em risco na zona ocidental de Mossul, no Iraque. Mais de 10 mil pessoas fugiram da zona ocidental da cidade nos últimos quatro dias. Enquanto a população tenta escapar ao fogo cruzado, as forças iraquianas avançam sobre a cidade ainda controlada pelo Daesh.