sicnot

Perfil

País

Parlamento aprova fim de julgamentos sumários de crimes graves

O PS, BE, PCP, PEV e PAN aprovaram hoje no Parlamento os projetos de lei de socialistas, bloquistas e comunistas para eliminar os julgamentos sumários para crimes puníveis com penas de prisão superiores a cinco anos.

Com os votos contra do PSD e do CDS-PP, os diplomas do PS, BE e PCP com o objetivo de impedir que crimes puníveis com prisão superior a 5 anos, incluindo homicídios, possam ser julgados em processo sumário foram hoje aprovados na Assembleia da República.

O diploma do PS refere que, com força obrigatória geral, o Tribunal Constitucional considerou inconstitucional a alteração legislativa de 2013 (governo PSD/CDS-PP) que veio permitir a realização de julgamento imediato, em processo sumário (ou seja em processo simplificado) de factos puníveis com pena superior a 5 anos, quando existisse flagrante delito.

Declarada a inconstitucionalidade da norma aprovada pela então maioria parlamentar PSD/CDS-PP, o PS entende que se impõe a "necessidade de, tão rapidamente, quanto possível, se proceder à reposição da coerência sistemática relativa à competência entre o tribunal singular (um único juiz a julgar) e o tribunal coletivo (três juízes) e, em particular, expurgar do Código de Processo Penal (CPP) a inconstitucionalidade material que afeta e se repercute no regime jurídico desta forma especial de processo".

A revogação da norma do CPP considerada inconstitucional é também proposta no projeto do BE que lembra os seus "alertas sucessivos para a circunstância de até o crime de homicídio passar a ser possível de vir a ser julgado em processo sumário, onde a prova é feita de forma simplificada e com um juiz singular".

Para o BE, o princípio da celeridade processual, exigência de justiça e condição de eficácia do sistema jurídico-penal (argumentos invocados pelo anterior governo) "não pode, em nenhuma circunstância, fazer-se com o sacrifício de direitos fundamentais, designadamente do direito de defesa do arguido".

"Essa é uma exigência fundamental de um Estado de Direito. Ora, foi esse caminho de cerceamento de direitos fundamentais que a anterior maioria parlamentar trilhou, alargando os casos em que o processo sumário, por natureza menos garantístico, é aplicável, concedendo assim ao arguido, julgado perante o tribunal singular, menos garantias de defesa", diz o projeto lei do BE.

O projeto do PCP visa também limitar a aplicação do processo sumário aos crimes de menor gravidade, justificando que a sua iniciativa resulta não só da declaração de inconstitucionalidade do regime aprovado por PSD e CDS, mas também das "inúmeras dificuldades que continuam a verificar-se na justiça e no funcionamento dos tribunais".

O PCP quer assim fazer "regressar o texto da lei processual à sua conformação anterior" no CPP em matéria de processo sumário.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.