sicnot

Perfil

País

Presidente acredita nas potencialidades do interior do país

O Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, afirmou este sábado que acredita nas potencialidades do interior do país, onde encontra "caras com os sorrisos muito mais abertos do que aquelas que encontrava há dez anos".

O Chefe de Estado afirmou que, ao nível dos municípios, "houve a fase das infraestruturas, mas essa fase está como que ultrapassada. Agora é a fase de demonstrar que eles [os autarcas] são verdadeiros agentes do desenvolvimento económico e social dos concelhos".

O Chefe de Estado afirmou que, ao nível dos municípios, "houve a fase das infraestruturas, mas essa fase está como que ultrapassada. Agora é a fase de demonstrar que eles [os autarcas] são verdadeiros agentes do desenvolvimento económico e social dos concelhos".

Miguel Pereira da Silva / Lusa

Cavaco Silva falava em Pinhel, após inaugurar o posto de turismo e o novo Museu Municipal, no final de uma visita de dois dias ao distrito da Guarda.

"Ao encerrar esta minha jornada pelo distrito da Guarda eu quero acreditar nas potencialidades deste interior. Eu acho que as coisas estão a mudar. Eu tenho a noção das caras que fui encontrando ao longo de dez anos ao visitar os concelhos do interior. E agora encontro essas caras com os sorrisos muito mais abertos do que aquelas que encontrava há dez anos a esta parte", disse.

No seu discurso, referiu que "isso deve-se muito ao trabalho realizado pelos autarcas que não ficaram à espera que tudo chegasse do Terreiro do Paço, que não ficaram à espera de que fosse tudo a ser resolvido pelo poder central".

"Arregaçaram as mangas, deram o exemplo e disseram ao Governo: Não é por nossa culpa que estas gentes do interior não têm melhores condições de vida. Se alguma coisa ainda falta é porque está para além das nossas possibilidades, para além da nossa capacidade e compete a vocês, lá de Lisboa, dar o contributo significativo'. Isto é, nós devemos muito àquilo que fizeram os autarcas nas últimas décadas", sublinhou.

O Chefe de Estado afirmou que, ao nível dos municípios, "houve a fase das infraestruturas, mas essa fase está como que ultrapassada. Agora é a fase de demonstrar que eles [os autarcas] são verdadeiros agentes do desenvolvimento económico e social dos concelhos".

"Eles são agentes do fortalecimento da base produtiva dos concelhos. São eles que hoje criam a esperança, abrem a janela de esperança para os jovens que nascem nos concelhos do interior", vincou.

Na opinião de Cavaco Silva, "é este o caminho que deve ser trilhado, é um caminho duro, requer persistência, não é um caminho que se percorre em curto prazo, mas é preciso manter aquela garra, aquela determinação, que é própria das gentes da Beira Interior, tal como de Trás-os-Montes e esta zona da raia".

O Presidente destacou ainda a importância para Pinhel dos dois equipamentos hoje inaugurados, por contribuírem para a atração de visitantes, e evidenciou o facto de a autarquia ser considerada Familiarmente Responsável, "pela atenção que presta às famílias, aos pais e às crianças".

"E ao falar nisto, eu estou a querer sugerir que outros municípios repliquem esta ideia. Todos nós sabemos que o nosso país enfrenta um problema de baixa natalidade. Que regiões do interior enfrentam um problema de despovoamento. Logo, estamos aqui a dar um passo, um contributo para resolver um problema que não se resolverá no curto prazo, levará muitos anos, mas é preciso fazer o caminho caminhando", disse.

Na sessão, o presidente da Câmara Municipal de Pinhel, Rui Ventura, disse que os dois equipamentos hoje inaugurados são fundamentais para o concelho e para a sua afirmação enquanto destino turístico.

Lusa

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.