sicnot

Perfil

País

Familiares assinalam aniversário da morte dos seis jovens na praia do Meco

Familiares dos seis jovens que morreram na praia do Meco, há dois anos, a 15 de dezembro de 2013, vão assinalar a data com uma missa e colocação de uma faixa com fotografias perto da Universidade Lusófona de Lisboa.

(Lusa/Arquivo)

(Lusa/Arquivo)

LUSA

"Hoje, ao final da tarde, colocamos uma faixa com fotografias dos seis jovens num viaduto perto da Universidade Lusófona, estabelecimento de ensino que todos frequentavam", disse à Lusa António Soares, pai de uma das alunas universitárias que perdeu a vida na praia do Meco, em Sesimbra.

"Na terça-feira, dia 15 de dezembro, lembramos os seis jovens com uma missa que terá lugar, pelas 18:30, na Sé de Lisboa", acrescentou António Soares, lembrando que esta terça-feira se completam dois anos sobre a tragédia que causou a morte dos seis alunos universitários.

Os seis jovens (quatro raparigas e dois rapazes), que terão sido arrastados por uma onda quando se encontravam na praia do Meco, faziam parte de um grupo de sete alunos que estava a passar o fim de semana numa casa alugada na localidade de Aiana de Cima, no âmbito das atividades da comissão de praxes da Universidade Lusófona.

Os pais dos seis jovens que morreram na praia do Meco apresentaram uma queixa-crime contra o "dux" João Gouveia, único sobrevivente, por suspeitarem que não teria contado a verdade sobre as circunstâncias da morte dos seis jovens, mas o processo foi arquivado pelo tribunal de Setúbal, não sendo ainda conhecido o resultado do recurso interposto para o Tribunal da Relação de Évora.

Lusa

  • Português de 15 anos morre em estância de esqui em Espanha

    País

    Um jovem português morreu esta quarta-feira numa estância de esqui, em Espanha. O rapaz de 15 anos queixou-se de dores de cabeça e foi transportado para a Unidade de Cuidados de Saúde da Estância de Esqui, onde acabou por morrer.

    Em desenvolvimento

  • Europa num clima de tensão parecido ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra Mundial
    2:18

    Mundo

    O populismo e a demonização do outro estão a conduzir a Europa a um clima de tensão semelhante ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra mundial. A conclusão é do relatório anual da Amnistia internacional, que denuncia ainda que 2016 foi um ano de "implacável miséria e medo" para milhões de pessoas. Embalados pelo discurso do medo, vários governos recuaram nos direitos humanos.