sicnot

Perfil

País

Ministra da Administração Interna reúne-se com associações da GNR

A ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, reúne-se hoje, pela primeira vez, com as cinco associações sócio profissionais da GNR, que consideram ser de urgente resolução a aprovação do novo estatuto militar.

(SIC/ Arquivo)

Ao contrário do que aconteceu com o estatuto profissional da PSP, que foi aprovado pelo anterior executivo, os militares da GNR não viram o seu estatuto concretizado pelo Governo PSD/CDS-PP, que lhes tinha sido prometido desde o início da legislatura.

"O mais urgente" é a aprovação de um novo estatuto militar da GNR, uma vez que o projeto feito pelo anterior Governo foi "para o lixo", disse à agência Lusa o presidente da Associação dos Profissionais da Guarda (APG/GNR), César Nogueira, adiantando que essa é uma das questões que vai transmitir à nova ministra.

César Nogueira realçou que as associações sócio profissionais chegaram a assinar um memorando de entendimento com a anterior ministra da Administração Interna, Anabela Rodrigues, mas o novo estatuto não chegou a ser aprovado.

Segundo o presidente da APG, há uma série de questões pendentes que só ficam resolvidas com a aprovação de um novo estatuto, nomeadamente a regulamentação de um novo horário de serviço.

César Nogueira disse ainda que quer saber em que ponto se encontra a revisão do plano de prevenção do suicídio nas forças de segurança.

Em comunicado, a Associação Socio Profissional Independente da Guarda (ANAG) também refere que, além da apresentação de cumprimentos à nova ministra, o encontro servirá para dar a conhecer as questões de "urgente resolução", estando no topo da lista a aprovação do novo estatuto militar da GNR que transitou do anterior Governo.

Segundo a ANAG, outras questões prioritárias são a passagem à reserva, criação de um horário de serviço na GNR e atualização das promoções, algumas das quais em atraso há vários anos.

Segundo o Ministério da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa vai reunir-se, a partir das 15:00, com a Associação dos Profissionais da Guarda, seguindo-se a Associação Socio Profissional Independente da Guarda, a Associação Nacional Sargentos da Guarda, a Associação Nacional de Oficiais da Guarda e a Associação Nacional Autónoma de Guardas da GNR.

Lusa

  • Tudo o que precisa saber sobre a moção de censura ao Governo

    País

    O Governo minoritário do PS enfrenta na terça-feira a sua primeira moção de censura, a 29.ª em 43 anos de democracia, mas PCP, BE e PEV já anunciaram que vai "chumbar" a iniciativa do CDS-PP. Esta é a sétima moção de censura apresentada pelo CDS-PP e a 29.ª a ser discutida na Assembleia da República. Os três partidos de esquerda que têm apoiado o executivo, PCP, BE e PEV, já anunciaram que votam contra. Com os votos do PS, a moção é chumbada.

  • Encontrado corpo de menina posta de castigo na rua pelo pai

    Mundo

    Sherin Mathews estava desaparecida desde o dia 7 de outubro. Este domingo a polícia do estado norte-americano do Texas encontrou o corpo de uma criança que acreditam ser a menina de três anos, desaparecida depois de o pai a colocar de castigo na rua, durante a madrugada.

    SIC

  • A cadela que desistiu da CIA para ir "perseguir esquilos e coelhos"

    Mundo

    Nem todos os cães têm aptidão para combater o crime. Este é o caso de Lulu, uma cadela que estava a treinar para ser agente da CIA, mas que acabou por entrar na reforma ainda durante os treinos. Através do Twitter, a agência norte-americana anunciou na semana passada que Lulu já não iria treinar mais e que tinha sido adotada pelo agente que a treinava.

    SIC

  • A história por detrás da fotografia que correu (e impressionou) o Mundo

    Mundo

    Depois dos incêndios da semana passada na Galiza, começou a circular na internet e nas redes sociais a imagem de uma cadela que alegadamente levava a sua cria carbonizada na boca. Contudo, a cadela é na verdade macho e chama-se Jacki. Esta é a história do cão que passou os dias após os fogos a recolher animais mortos para os enterrar num campo perto de uma igreja, em Coruxo, Vigo.

    SIC