sicnot

Perfil

País

Ministra da Administração Interna reúne-se com associações da GNR

A ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, reúne-se hoje, pela primeira vez, com as cinco associações sócio profissionais da GNR, que consideram ser de urgente resolução a aprovação do novo estatuto militar.

(SIC/ Arquivo)

Ao contrário do que aconteceu com o estatuto profissional da PSP, que foi aprovado pelo anterior executivo, os militares da GNR não viram o seu estatuto concretizado pelo Governo PSD/CDS-PP, que lhes tinha sido prometido desde o início da legislatura.

"O mais urgente" é a aprovação de um novo estatuto militar da GNR, uma vez que o projeto feito pelo anterior Governo foi "para o lixo", disse à agência Lusa o presidente da Associação dos Profissionais da Guarda (APG/GNR), César Nogueira, adiantando que essa é uma das questões que vai transmitir à nova ministra.

César Nogueira realçou que as associações sócio profissionais chegaram a assinar um memorando de entendimento com a anterior ministra da Administração Interna, Anabela Rodrigues, mas o novo estatuto não chegou a ser aprovado.

Segundo o presidente da APG, há uma série de questões pendentes que só ficam resolvidas com a aprovação de um novo estatuto, nomeadamente a regulamentação de um novo horário de serviço.

César Nogueira disse ainda que quer saber em que ponto se encontra a revisão do plano de prevenção do suicídio nas forças de segurança.

Em comunicado, a Associação Socio Profissional Independente da Guarda (ANAG) também refere que, além da apresentação de cumprimentos à nova ministra, o encontro servirá para dar a conhecer as questões de "urgente resolução", estando no topo da lista a aprovação do novo estatuto militar da GNR que transitou do anterior Governo.

Segundo a ANAG, outras questões prioritárias são a passagem à reserva, criação de um horário de serviço na GNR e atualização das promoções, algumas das quais em atraso há vários anos.

Segundo o Ministério da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa vai reunir-se, a partir das 15:00, com a Associação dos Profissionais da Guarda, seguindo-se a Associação Socio Profissional Independente da Guarda, a Associação Nacional Sargentos da Guarda, a Associação Nacional de Oficiais da Guarda e a Associação Nacional Autónoma de Guardas da GNR.

Lusa

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.