sicnot

Perfil

País

Açores com avisos laranja e amarelo devido ao vento, chuva e agitação marítima

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) emitiu hoje avisos laranja e amarelo para o arquipélago dos Açores devido à previsão de vento, chuva e agitação marítima na quinta-feira.

Lusa

Lusa

EDUARDO COSTA

O aviso laranja, para o grupo central do arquipélago (ilhas do Faial, São Jorge, Graciosa, Terceira e Pico), vigora entre as 15:00 e as 24:00 de quinta-feira de Lisboa (menos uma hora nos Açores), quando são previsíveis rajadas de vento na ordem dos 120 quilómetros/hora.

O aviso laranja é o segundo mais grave de uma escala de quatro e é considerada uma situação meteorológica de risco moderado a elevado.

Para este dia, o IPMA emitiu ainda para as cinco ilhas avisos amarelo para chuva e agitação marítima, podendo as ondas chegar aos sete metros.

As duas ilhas do grupo ocidental, Corvo e Flores, estão igualmente sob aviso laranja para vento, a partir das 03:00 e as 24:00 de quinta-feira, com rajadas que podem chegar aos 120 quilómetros/hora e agitação marítima com ondas a partir dos sete metros, aumentando para nove metros a partir do final do dia.

Estas ilhas estão também sob aviso amarelo para chuva ao longo de quinta-feira.

Nas ilhas do grupo oriental do arquipélago, São Miguel e Santa Maria, há previsão de chuva e vento à noite, tendo o IPMA emitido aviso amarelo.

Na informação disponibilizada na página do Facebook da Delegação Regional dos Açores, o IPMA refere que o agravamento do estado do tempo se deve a "uma depressão muito cavada, localizada a norte" da região.

O instituto indica que na sexta-feira está previsto "um aumento da altura das ondas e a continuação de vento muito forte", sendo esperadas ondas até 11 metros nas ilhas do Corvo e das Flores, onde o vento pode soprar até 130 quilómetros/hora.

A mesma velocidade de rajadas é esperada neste dia nas ilhas do Faial, São Jorge, Graciosa, Terceira e Pico, enquanto em São Miguel é expectável rajadas até 100 quilómetros/hora.

As ilhas dos grupos oriental e central dos Açores estiveram na segunda-feira sob aviso vermelho, o mais grave numa escala de quatro, devido às condições atmosféricas adversas.

O mau tempo provocou um morto e a Proteção Civil regional contabilizou 157 incidentes, tendo as operações de socorro envolvido 440 operacionais e 109 viaturas.

Escolas, tribunais e serviços municipais fecharam e mais de 1.600 passageiros ficaram em terra devido ao cancelamento de dezenas de voos.

Já na terça-feira, estes dois grupos de ilhas estiveram sob aviso amarelo devido à chuva, trovoada e vento.

Lusa

  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • ONU estima que mais 750 mil civis estejam em risco na cidade de Mossul
    1:39

    Mundo

    As Nações Unidas estimam que mais 750 mil civis estejam em risco na zona ocidental de Mossul, no Iraque. Mais de 10 mil pessoas fugiram da zona ocidental da cidade nos últimos quatro dias. Enquanto a população tenta escapar ao fogo cruzado, as forças iraquianas avançam sobre a cidade ainda controlada pelo Daesh.