sicnot

Perfil

País

Costa recusa fim dos exames do 6º e do 9º ano

O primeiro-ministro, António Costa, reiterou hoje que os exames do 6.º e do 9.º ano de escolaridade não serão eliminados, em resposta ao presidente do CDS-PP, Paulo Portas, que o questionou sobre o sentido de voto dos socialistas numa iniciativa do PCP.

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

"Recomendo a leitura do Programa do Governo, que é muito claro quanto às provas que devem ser mantidas ou alteradas e não consta do Programa de Governo a eliminação das provas a que se referiu", afirmou António Costa.

No primeiro debate quinzenal do atual Governo, Paulo Portas questionou o chefe do executivo sobre a viabilização pelo PS de uma iniciativa dos "sócios do PCP" para acabar com exames nacionais do 6.º ano e do 9.º ano.

O líder centrista começou por insistir na crítica ao fim dos exames do quarto ano, que António Costa chamou de "quarta classe" em homenagem ao "saudosismo" de Portas, um sentimento e uma expressão que este não acatou e disse que a sua utilização pelo primeiro-ministro é um sinal da sua "contemporaneidade".

Nesta primeira pergunta que Portas fez a Costa no debate quinzenal, o presidente do CDS-PP considerou que o primeiro-ministro revelou na resposta "altivez, para não dizer soberba, e fez lembrar o cidadão António Costa que há dois anos dizia que estes debates eram a invenção mais estúpida".

Lusa

  • Fim dos exames do 4º ano
    2:24

    Novo Governo

    Esta primeira sessão do novo parlamento começou a decidir o fim dos exames nacionais do 4º ano. As crianças deixam assim de ser obrigadas a fazer a prova final de matemática e português. A proposta do Bloco de Esquerda foi debatida esta manhã e tem aprovação garantida.

  • Exames do 4º ano devem acabar em 2016
    1:53

    País

    Os exames do 4º ano devem acabar já em 2016. O projeto de lei do Bloco de Esquerda deu entrada no Parlamento e conta com o apoio da maioria parlamentar. Enquanto isso, os professores de Português e Matemática são a favor do fim de provas, que consideram ser perversas para o sistema de ensino.