sicnot

Perfil

País

Pena máxima para pai de bebé morta por água a ferver, mãe condenada a 18 anos

A mãe e o pai acusados de provocar a morte da filha, por queimaduras causadas por água a ferver, foram condenados a 18 e 25 anos de prisão, respetivamente. O caso aconteceu em agosto do ano passado em Lisboa.

O caso aconteceu em agosto de 2014 em Lisboa.

O caso aconteceu em agosto de 2014 em Lisboa.

O tribunal deu como provados os factos essenciais da acusação, condenando os arguidos por homicídio qualificado, violência doméstica e ofensas à integridade física.

Foi também determinada a pena acessória de inibição do poder paternal em relação a outros filhos dos arguidos, por períodos entre cinco e 10 anos.

Os advogados de defesa de ambos os arguidos ponderam recorrer.

O casal provocou queimaduras de segundo grau em 50% do corpo da bebé de 4 meses com a água do banho a ferver.

O pai estava preso preventivamente, enquanto a mãe estava em prisão domiciliária com pulseira eletrónica.

Com Lusa

  • Salah Abdeslam deixa cadeira vazia na leitura da sua sentença
    2:05

    Mundo

    O único suspeito vivo dos ataques de Paris em 2015 foi esta segunda-feira condenado a 20 anos de prisão por um tribunal belga, num processo paralelo: um tiroteio em março de 2016, em Bruxelas. Tanto Salah Abdeslam como o cúmplice não quiseram estar na leitura da sentença. O julgamento de Salah Abdeslam pelos ataques de Paris só deverá acontecer no próximo ano, em França.

  • Beyoncé e a irmã caem no Coachella e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.