sicnot

Perfil

País

Vítimas de intoxicação alimentar na Amadora todas com alta hospitalar

A maioria dos afetados pela intoxicação alimentar numa escola e num lar da Santa Casa da Misericórdia da Amadora tiveram alta hospitalar durante a noite de terça-feira, apurou a Lusa junto das unidades hospitalares.

Em declarações à Lusa, a assessora do Hospital São Francisco Xavier explicou que na unidade hospitalar foram assistidas 18 crianças na urgência-pediátrica "mas todos já tiveram alta".

Também o assessor de imprensa do Hospital de Santa Maria avançou que as seis crianças e os quatro adultos assistidos receberam alta ainda na terça-feira.

No Hospital de Loures foram assistidas 13 crianças que acabaram também por ter alta durante a noite, segundo disse à Lusa a assessora da instituição.

A agência Lusa contactou, sem sucesso, o hospital Amadora-Sintra, para obter informações sobre os pacientes que foram atendidos na instituição.

Sessenta e sete pessoas sofreram terça-feira uma intoxicação alimentar numa escola, num lar e num centro de dia da Santa Casa da Misericórdia da Amadora, segundo o comandante dos Bombeiros Voluntários da Amadora, Mário Conde.

O responsável disse à Lusa que 54 destas vítimas foram transportadas para cinco hospitais da Grande Lisboa e outras 13 estavam, pelas 20:00, a ser assistidas na Escola Luís Madureira, em Alfragide.

Além deste estabelecimento de ensino, foram registadas vítimas no Lar de Santo António (localizado no mesmo complexo da escola) e no Centro de Apoio à Terceira Idade do Casal da Mira, na freguesia de Mina de Água.

Mário Conde explicou que, segundo o delegado de saúde do município, as causas da intoxicação estarão relacionadas com "a distribuição de 550 refeições" de almoço por uma mesma empresa nestes três locais.

O comandante adiantou que para o local foram enviados 30 viaturas e 70 bombeiros, além de outros meios da Proteção Civil, a PSP e o INEM.

Em declarações à Lusa, o diretor-geral de Saúde, Francisco George, disse que as razões da intoxicação que afetou 67 pessoas na Amadora estão a ser investigadas no Instituto Ricardo Jorge, mas garantiu que a situação não é especialmente grave.

"Estamos em crer que não se trata de uma situação especialmente grave, se bem que três idosos possam ter um prognóstico mais preocupante", afirmou à Lusa Francisco George.

De acordo com o responsável da Direção-Geral de Saúde, "a resposta foi muito rápida e eficiente, de uma maneira geral", apesar de existirem "muitos doentes afetados, quer crianças, quer idosos, mas são poucos os que inspiram cuidados".

Lusa

  • ASAE não encontrou nada que impeça instituição de Alfragide de funcionar
    2:12

    País

    Mais de 50 crianças e cerca de duas dezenas de adultos foram assistidos em hospitais da Grande Lisboa, devido a uma intoxicação alimentar numa escola e lar de idosos de Alfragide. A instituição gerida pela Santa Casa da Misericórdia fez saber que vai funcionar normalmente esta quarta-feira, depois de uma vistoria das autoridades de saúde e da ASAE nada ter encontrado que o impedisse. Na origem da intoxicação alimentar terá estado o bacalhau servido ao almoço a cerca de 500 pessoas. A SIC falou com a mãe de uma das crianças, Paula Santos.

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o Presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas de que foi alvo.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.