sicnot

Perfil

País

Mãe condenada a 8 anos e 3 meses de prisão por atirar filho ao Douro

O Tribunal São João Novo, no Porto, condenou hoje uma mulher a oito anos e três meses de prisão por ter atirado o filho de seis anos ao rio Douro, em 2009, do que resultou a morte da criança.

Arquivo

Arquivo

LUSA

"Ela quis e conseguiu tirar-lhe a vida", disse o juiz presidente, durante a leitura da decisão judicial.

Segundo o magistrado, a mãe lançou-se com o filho de seis anos ao rio Douro, a 27 de outubro de 2009, com o objetivo de morreram os dois. A criança, como não sabia nadar, acabou por morrer por asfixia, enquanto a mãe sobreviveu.

O menino foi encontrado morto no dia 29 de outubro de 2009, no esteiro de Avintes, em Vila Nova de Gaia, Porto, tendo a mãe sido resgatada com vida perto da Ponte Luiz I, por remadores do Clube Fluvial Portuense, a seis quilómetros do local.

A arguida já havia sido condenada a cinco anos de prisão, suspensa na sua execução, mas o Ministério Público (MP) recorreu da decisão, tendo o Tribunal da Relação do Porto mandado repetir o julgamento.

Durante o julgamento, que iniciou a 28 de outubro, a mulher confessou ter tido a intenção de se matar com ele, mas "perdeu a coragem". Na sua tese, o menor acabou por cair acidentalmente e não foi empurrado.

"O menino andava sempre doente com amigdalites, eu não aguentava mais vê-lo sofrer. Então, decidi atirar-me ao rio Douro com ele, mas ao chegar lá perdi a coragem. Tive medo, e, de repente, ele largou a minha mão e caiu à água. Atirei-me para o salvar, mas não consegui", disse a arguida.

A mãe do menor realçou que andava "muito perturbada e deprimida" por ver o filho constantemente doente, estando muitas vezes internado no hospital, e, para acabar com esse sofrimento, decidiu por termo à sua vida e à dele.

"Ele estava sempre a chorar, com dores, em pânico, eu não aguentava mais, depois achava que o meu marido não se interessava por nós, só pensava no trabalho, não tinha apoio em casa", salientou.

Na água, a mulher explicou ter gritado "muito", pedido ajuda, mas sendo de noite ninguém a ouviu.

Nesse dia, a arguida realçou ter deixado uns bilhetes em casa a manifestar a sua intenção com a "esperança" que a fossem salvar e impedir de cometer o ato, mas ninguém apareceu no local.

"Estive toda a noite, até ser encontrada de manhã, na água, deitada numas rochas", explicou.

E acrescentou: "o meu filho era o meu mais que tudo, só queria estar com ele 24 horas por dia".

O arguido da mulher condenada anunciou que vai recorrer do veredicto.

Lusa

  • Mulher acusada pela morte do filho no rio Douro negou tê-lo empurrado
    1:15

    País

    Começou hoje a ser julgada, pela segunda vez, a mulher que em 2013 foi condenada a 5 anos de pena suspensa por alegadamente ter deixado o filho afogar-se no Rio Douro. O Tribunal da Relação do Porto decidiu repetir parte do julgamento porque considerou que não ficou claro se a arguida tinha ou não intenção de matar a criança de 6 anos.

  • Manuel Delgado demitiu-se devido a "grave violação da privacidade"

    País

    O ex-secretário de Estado da Saúde diz que apresentou a demissão para "não perturbar nem criar qualquer tipo de embaraço ao normal funcionamento do Governo". Num comunicado, Manuel Delgado esclarece que foi remunerado pelo trabalho de consultor na Raríssimas "muito antes" da entrada no Governo e acrescenta que respeitou na íntegra todo o quadro legal e ético.

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Tripulantes da TAP acusam companhia de desrespeitar compromissos
    3:16

    Economia

    O Sindicato que representa os tripulantes da TAP acusa a empresa de estar a violar a lei. A companhia aérea portuguesa denunciou unilateralmente o acordo de empresa com os tripulantes e apresentou novas condições, que o sindicato considera indignas. Diz que os tripulantes fizeram esforços pela companhia no verão e que agora estão a ser desrespeitados.

  • Uma "Árvore da Esperança" pelas vítimas dos fogos
    2:01
  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06
  • Zapatou volta a eleger os melhores vídeos da internet
    6:28