sicnot

Perfil

País

Presidente deseja Natal "feito de serenidade e esperança"

O Presidente da República desejou hoje aos portugueses um Natal "feito de serenidade e de esperança, de paz e alegria", sublinhando que, num tempo de "incertezas e sobressalto", esta quadra deve ser um "tempo de pausa e reflexão".

"O Natal deve ser um tempo de paz e de alegria. Num mundo marcado por incertezas e sobressaltos, o Natal deve ser um tempo de pausa e reflexão, uma jornada em que devemos lembrar os que mais necessitam da nossa solidariedade: os que enfrentam dificuldades nas suas vidas pessoais ou profissionais, os que vivem na solidão ou na pobreza", refere o chefe de Estado, Aníbal Cavaco Silva, numa mensagem em vídeo de boas festas publicada no site da Presidência da República.

No vídeo, gravado na sala das Bicas do Palácio de Belém e tendo como fundo a árvore de Natal aí instalada, o Presidente da República surge ao lado da mulher, Maria Cavaco Silva, que lembra que nesta quadra os portugueses se reúnem em família, "buscam o convívio dos seus entes queridos, daqueles que lhes estão mais próximos" e, ao mesmo tempo, são recordados com saudade "os que estão longe ou os que já partiram".

"Quero deixar igualmente uma palavra de generoso afeto às nossas comunidades da diáspora, cujo papel tanto sublinhei ao longo dos meus mandatos", acrescenta o chefe de Estado, desejando a todos os portugueses "um bom Natal, feito de serenidade e de esperança, de paz e alegria".

Lusa

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Itália tenta colocar migrações na agenda do G7 contra vontade dos EUA
    1:45
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.