sicnot

Perfil

País

Proteção Civil regista quedas de árvores nas ilhas das Flores e Terceira

O mau tempo que se está a fazer sentir hoje no arquipélago dos Açores provocou a queda de árvores e de postes de eletricidade, sem causar vítimas, disse fonte do Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros.

Lusa

Lusa

EDUARDO COSTA

"Entre as 00:00 e as 08:30 registámos apenas a queda de dois postes de eletricidade e três árvores em Angra do Heroísmo [ilha Terceira] por causa do vento forte, mas sem obstrução de vias, nem vítimas", adiantou à agência Lusa André Avela, do Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores.

A mesma fonte adiantou que foi registado em Ponta Delgada das Flores, no grupo ocidental, a queda de uma árvore, que não causou vítimas.

"Devido aos avisos vermelho, laranja e amarelo emitidos para o arquipélago por causa do vento e agitação forte, o Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores vai continuar a acompanhar a situação", disse.

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) colocou hoje sob aviso vermelho as ilhas do Corvo e Flores, grupo ocidental do arquipélago dos Açores, devido à agitação marítima e ao vento.

Segundo o IPMA, nestas duas ilhas as ondas podem atingir 11 metros até às 18:00 de hoje (menos uma hora nos Açores), enquanto o vento pode registar rajadas superiores a 130 quilómetros/hora entre as 03:00 e as 12:00.

O aviso vermelho, o mais grave numa escala de quatro, é identificado pelo IPMA como uma situação meteorológica de risco extremo, devendo as pessoas acompanhar a evolução das condições e seguir as orientações da Proteção Civil.

Já no grupo oriental dos Açores, ilhas de São Miguel e Santa Maria, vigora um aviso laranja para agitação marítima entre as 12:00 e as 19:00 de hoje.

O aviso laranja para agitação marítima é antecedido de um amarelo das 06:00 às 12:00.

As ilhas do grupo central -- Graciosa, São Jorge, Faial, Pico e Terceira -- estão também sob aviso laranja para agitação marítima, que vigora até às 18:00 de hoje, e vento até às 12:00.

Segundo a meteorologista Vanda Costa, da Delegação Regional dos Açores do IPMA, explicou que está previsto "um aumento da altura das ondas e a continuação de vento muito forte", podendo as ondas atingir até 11 metros nas ilhas do Corvo e das Flores, sobretudo na costa oeste, e o vento ultrapassar 130 quilómetros/hora.

Nas ilhas do Faial, São Jorge, Graciosa, Terceira e Pico as rajadas deverão ser da ordem dos 120 quilómetros por hora, enquanto as ondas podem chegar aos nove metros.

No grupo oriental, especialmente na ilha de São Miguel, são expectáveis rajadas até 100 quilómetros/hora e ondas que podem atingir até nove metros, esclareceu a meteorologista.

As ilhas dos grupos oriental e central dos Açores estiveram na segunda-feira sob aviso vermelho devido às condições atmosféricas adversas.

O mau tempo provocou um morto e a Proteção Civil regional contabilizou 157 incidentes, tendo as operações de socorro envolvido 440 operacionais e 109 viaturas.

Escolas, tribunais e serviços municipais fecharam e mais de 1.600 passageiros ficaram em terra devido ao cancelamento de dezenas de voos.

Lusa

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.