sicnot

Perfil

País

Três investigadores portugueses com financiamento de quase 6 milhões de euros

Três investigadores portugueses receberam um total de 5,9 milhões de euros para os trabalhos que estão a desenvolver concedidos pelo Conselho Europeu de Investigação (European Research Council, ERC).

O Conselho Europeu de Investigação atribuiu a bolsa de investigação a Mónica Bettencourt Dias, Investigadora Principal do Instituto Gulbenkian de Ciência (IGC), Helder Maiato, Investigador Principal do I3S da Universidade do Porto na área das ciências da vida, e Marina Costa Lobo, Investigadora principal do Instituto de Ciências Sociais (ICS) na área das ciências sociais.

Esta é a segunda vez que Mónica Bettencourt Dias e Hélder Maiato recebem um financiamento do ERC. Cada laboratório receberá agora cerca de 2 milhões de euros.

Contando com a primeira vez que foram premiados, em 2010, estes dois investigadores já captaram ao todo para Portugal cerca de 7 Milhões de Euros.

Já a investigadora do ICS, Marina Costa Lobo, recebe a segunda bolsa do ERC na área das ciências sociais em Portugal, no valor 1,6 milhões de euros.

São agora onze os investigadores a trabalhar em Portugal que receberam bolsas do programa ERC Consolidator, um programa de financiamento criado para "dar apoio a investigadores que estão a consolidar a sua carreira científica independente", em especial "grupos de investigação independentes com elevado nível de excelência".

Em 2015, estiveram em concurso mais de 2.050 projetos de investigação, nas várias áreas do conhecimento.

No projeto agora financiado, a equipa de Mónica Bettencourt irá recorrer a uma abordagem multidisciplinar que combina a modelação matemática com técnicas experimentais sofisticadas, que possibilitará visualizar e quantificar objetos muito pequenos dentro das células.

"Este novo financiamento dá-nos capacidade para comprar equipamento altamente sofisticado em termos tecnológicos, mas também para recrutar uma equipa excecional com a qual podemos trabalhar durante 5 anos", destaca a investigadora.

Hélder Maiato, que se tem dedicado a estudar o movimento dos cromossomas durante a divisão das células, propõe-se a partir da divisão celular e do transporte dos cromossomas para descodificar os sinais de navegação e contribuir para a compreensão desta espécie de "GPS" celular.

Com o financiamento agora atribuído, o investigador considera que "estão garantidos os recursos necessários que permitirão avançar com o trabalho sem as restrições que projetos de menor dimensão impõem".

Marina Costa Lobo pretende com este projeto estudar o impacto que o tema "Europa" tem ganho nas eleições legislativas entre 2000 e 2016 na Alemanha, Bélgica, Espanha, Grécia, Irlanda e Portugal, em particular a forma como a crescente importância da União Europeia tem influenciado a política nacional desde o início da crise da Zona Euro.

A investigadora acredita que o seu projeto "poderá contribuir para a compreensão das transformações políticas na Europa desde a crise da zona euro".

Com Lusa

  • Catalunha vs Espanha
    29:35

    Grande Reportagem SIC

    2017 ficará como o ano da Catalunha e de como a região espanhola foi falada em todo o mundo, por causa do grito de independência que não aconteceu. O jornalista Henrique Cymerman esteve na Catalunha e foi um dos únicos repórteres do mundo que conseguiu chegar ao esconderijo do presidente demissionário do Governo catalão, Carles Puigdemont, em Bruxelas.

  • Tiroteio em Espanha causa três mortos

    Mundo

    Um tiroteio na cidade espanhola de Teruel, na região de Aragão, fez esta quinta-feira três mortos, entre os quais dois elementos da Guardia Civil. O atirador está em fuga.

  • As IPSS são estruturantes no país. Fazem o que Estado não faz porque não pode, não quer, ou não chega a tudo. Chama-se sociedade civil a funcionar. E o Estado subsidia, ajuda, (com)participa, apoia. Nada contra. A questão é quando as IPSS e outras instituições, fundações, associações, federações e quejandas se tornam verdadeiras "indústrias".

    Pedro Cruz

  • Os Simpsons já sabiam em 1998 que a Fox iria pertencer à Disney

    Cultura

    Os Simpsons acertaram outra vez. Algo que tem acontecido regularmente nos últimos tempos, com a eleição de Donald Trump, o aparecimento do vírus Ébola ou o escândalo dos Panama Papers. Desta vez, a previsão remonta a 1998, quando a série previu que a 20th Century Fox iria pertencer à Disney.

    SIC