sicnot

Perfil

País

Ministério da Saúde quer apurar responsabilidades da morte de doente em S. José

Ministério da Saúde quer apurar responsabilidades da morte de doente em S. José

Demitiram-se os responsáveis da saúde nos hospitais de Lisboa na sequência do caso de um homem de 29 anos que terá morrido no hospital de São José por falta de assistência médica. O centro hospitalar de Lisboa Central confirmou que desde abril de 2014 não há especialistas de neurocirurgia vascular ao sábado e ao domingo. Uma situação que agora com este caso, acabou por ser resolvida.

O Ministério da Saúde anunciou hoje que pediu à administração do Centro Hospitalar de Lisboa Central e à Inspeção-Geral das Atividades em Saúde para apurarem eventuais responsabilidades do Hospital de São José na morte de um doente.

Numa curta nota enviada à agência Lusa, o Ministério da Saúde informa que solicitou a abertura imediata de um inquérito às duas entidades na sequência das notícias hoje difundidas na comunicação social, referentes a um jovem de 29 anos que faleceu no dia 14 de dezembro no Hospital de São José, em Lisboa, por não haver um neurocirurgião para efetuar uma intervenção cirúrgica.

A decisão da tutela surge algumas horas depois dos presidentes da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT), do Centro Hospitalar de Lisboa Central e do Centro Hospitalar Lisboa Norte se demitirem, na sequência desta morte, devido à falta de um neurocirurgião.

O jornal Correio da Manhã noticiou hoje que David Duarte, de 29 anos, foi transferido de urgência para o Hospital de São José, devido a uma hemorragia cerebral resultante de um aneurisma, com indicação para ser operado de imediato, o que não aconteceu porque aquela unidade hospitalar não tinha um neurocirurgião disponível.

O presidente da ARSLVT, Luís Cunha Ribeiro, afirmou, durante o anúncio da sua demissão que "foram tomadas medidas" para que situações análogas não voltem a acontecer.

"A partir de agora, foi autorizado que passe a haver resposta para situações deste género. Hoje, doentes em situações semelhantes não terão o mesmo destino do que ocorreu há uma semana", declarou.

"Enquanto presidente da ARS e com responsabilidade em todos os hospitais [da ARS de Lisboa e Vale do Tejo] acabei de apresentar a minha demissão ao ministro da Saúde", disse a seguir, na curta declaração, explicando que não responderia a perguntas dos jornalistas por o caso estar a ser alvo de um inquérito.

Os presidentes dos centros hospitalares Lisboa Central e Lisboa Norte, que também se demitiram e estavam presentes, não fizeram qualquer declaração.

Cunha Ribeiro lamentou que, "nos últimos anos", não tivesse havido recursos humanos de forma a impedir a morte de pessoas por falta de assistência.

  • Doente de 29 anos terá morrido no S. José por falta de assistência médica
    1:37

    País

    Um homem de 29 anos terá morrido no Hospital de São José, em Lisboa, por falta de assistência médica. A família acusa a unidade hospitalar de não ter um neurocirurgião ao fim de semana, para fazer uma cirurgia de urgência. O hospital confirma que não há especialista de prevenção ao sábado e domingo e que a tutela já foi informada da situação.

  • Demitiram-se os presidentes da ARSLVT e dos centros hospitalares Lisboa Central e Norte
    1:28

    País

    A morte de um jovem no Hospital de São José por falta de assistência médica levou, esta noite, à demissão do presidente da ARS de Lisboa e Vale do Tejo e dos Administradores dos Centros hospitalares de Lisboa Central e do Norte. O caso em particular foi entregue à Inspeção Geral de Atividades em Saúde, pelo que em conferência de imprensa, os responsáveis hospitalares limitaram-se a fazer uma declaração, sem direito a perguntas. Luís Cunha Ribeiro explicou que está reposta a existência de profissionais de saúde especializados ao sábado e ao domingo o que esteve na origem do problema. Mas por sentir responsabilidade direta no caso, os administradores resolveram apresentar a demissão.

  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • ONU estima que mais 750 mil civis estejam em risco na cidade de Mossul
    1:39

    Mundo

    As Nações Unidas estimam que mais 750 mil civis estejam em risco na zona ocidental de Mossul, no Iraque. Mais de 10 mil pessoas fugiram da zona ocidental da cidade nos últimos quatro dias. Enquanto a população tenta escapar ao fogo cruzado, as forças iraquianas avançam sobre a cidade ainda controlada pelo Daesh.