sicnot

Perfil

País

Morte de jovem no S. José é "incompreensível" e não é só uma questão financeira, diz Ministro da Saúde

O ministro da Saúde classificou hoje de "incompreensível" a morte de um jovem no Hospital de São José, por falta de assistência especializada, que considera não se tratar "apenas de uma questão financeira", pois outras regiões garantem esta prontidão.

PAULO NOVAIS


"Não é apenas uma questão de natureza financeira e de recursos. No país, o Norte e o Centro funcionam sem problemas. Trata-se claramente de um problema de organização dos meios", disse aos jornalistas Adalberto Campos Fernandes, no decorrer de uma visita ao Instituto Português de Oncologia (IPO) de Lisboa.

A propósito da morte de um jovem no Hospital de São José, em Lisboa, por alegada falta de assistência especializada - que já levou à demissão dos administradores dos centros hospitalares de Lisboa Central (CHLC) e do norte (CLHN), bem como do presidente da Administração Regional de Saúde (ARS) de Lisboa e Vale do Tejo -- o ministro garantiu que este constrangimento já foi "ultrapassado".

"É incompreensível o que aconteceu e não pode voltar a acontecer", disse Adalberto Campos Fernandes, afirmando que "a restrição financeira da saúde, em alguns casos, foi longe demais", mas que, neste caso, "não se trata apenas de uma questão financeira".

Para o ministro, "o Serviço Nacional de Saúde (SNS) sofreu de uma forma transversal e em áreas que deviam ter sido poupadas". "A nossa obrigação é continuar com a máxima energia a reconstruir o SNS, no sentido de garantir que a prontidão está assegurada e os portugueses podem confiar no SNS".

Desde terça-feira, altura em que o ministro da Saúde terá tido conhecimento do caso, foi determinado que o constrangimento fosse ultrapassado.

"A situação tem dois anos e tem a ver com a possibilidade de ter equipas completas de prontidão de fim de semana para responder ao número de casos", afirmou.

"O que os dirigentes dos hospitais e o da ARS [de Lisboa e Vale do Tejo] garantiram é que se iam articular para que a resposta e a prontidão fosse assegurada de imediato. Significa que terá de ser feito o que tem de ser feito", acrescentou o governante.

Adalberto Campos Fernandes afirmou contar que, a partir desta semana, "a circunstância desta resposta esteja assegurada".

Questionado sobre o facto de o doente não ter sido transportado para outras unidades onde existe esta assistência especializada, o ministro explicou que, "do ponto de vista clinico, estes doentes têm sério risco de vida quando são transportados para distâncias excessivas, o que não seria o caso de uma deslocação entre o CHLC para o CHLN".

Para já, o ministro aguarda o "relatório circunstancial" que solicitou ao CHLC, a que pertence o Hospital de São José, e que deverá chegar às suas mãos ainda hoje.

Sobre as demissões, Adalberto Campos Fernandes disse tratar-se de "um facto novo": "Pela primeira vez os dirigentes assumem uma atitude ética de desprendimento dos lugares. Assumem que alguma coisa não correu bem. É um sinal novo na democracia e da gestão do SNS".

Sem revelar os nomes de substitutos destes dirigentes demissionários, o ministro disse que ainda aguardava o resultado das investigações a decorrer para decidir sobre esta matéria.

Lusa

  • Doente de 29 anos terá morrido no S. José por falta de assistência médica
    1:37

    País

    Um homem de 29 anos terá morrido no Hospital de São José, em Lisboa, por falta de assistência médica. A família acusa a unidade hospitalar de não ter um neurocirurgião ao fim de semana, para fazer uma cirurgia de urgência. O hospital confirma que não há especialista de prevenção ao sábado e domingo e que a tutela já foi informada da situação.

  • Demitiram-se os presidentes da ARSLVT e dos centros hospitalares Lisboa Central e Norte
    1:28

    País

    A morte de um jovem no Hospital de São José por falta de assistência médica levou, esta noite, à demissão do presidente da ARS de Lisboa e Vale do Tejo e dos Administradores dos Centros hospitalares de Lisboa Central e do Norte. O caso em particular foi entregue à Inspeção Geral de Atividades em Saúde, pelo que em conferência de imprensa, os responsáveis hospitalares limitaram-se a fazer uma declaração, sem direito a perguntas. Luís Cunha Ribeiro explicou que está reposta a existência de profissionais de saúde especializados ao sábado e ao domingo o que esteve na origem do problema. Mas por sentir responsabilidade direta no caso, os administradores resolveram apresentar a demissão.

  • Ministério da Saúde quer apurar responsabilidades da morte de doente em S. José
    2:14

    País

    Demitiram-se os responsáveis da saúde nos hospitais de Lisboa na sequência do caso de um homem de 29 anos que terá morrido no hospital de São José por falta de assistência médica. O centro hospitalar de Lisboa Central confirmou que desde abril de 2014 não há especialistas de neurocirurgia vascular ao sábado e ao domingo. Uma situação que agora com este caso, acabou por ser resolvida.

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • Cinco unidades fabris em Tondela destruídas pelas chamas
    3:06

    País

    As contas finais dos prejuízos na zona industrial de Tondela ainda não são definitivas, mas há cinco unidades fabris que foram atingidas pelas chamas. O aterro sanitário do Planalto Beirão foi também atingido pelo fogo que atravessou Tondela, onde ardeu o equivalente a 20 anos de resíduos orgânicos.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as várias as fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto por mostrar, de forma crua, as consequências das chamas. A foto é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.