sicnot

Perfil

País

Caso de David não é único no SNS

Vários médicos e enfermeiros garantem que o caso de David Duarte, que morreu à espera de ser operado, não é caso único. Fonte do Hospital de São Josédisse ao jornal Expresso que houve mais quatro doentes com rotura de aneurisma que também não sobreviveram ao sábado e ao domingo de espera, desde abril de 2014.

David Duarte tinha 29 anos.

David Duarte tinha 29 anos.

Das quatro vítimas registadas antes da morte do jovem de Santarém, três aconteceram em 2014 e a outra, uma mulher de 60 anos,este ano.

De acordo com o jornal Público que cita o Bastonário da Ordem dos Médicos, em maio deste ano, os responsáveis pela neurorradiologia de intervenção de quatro hospitais de Lisboa ofereceram-se mesmo para assegurar uma escala única na área metropolitana da capital o que pertimitira resolver o problema mas nada aconteceu.

José Manuel Silva diz que há mais casos do género, mas a difereça é que neste a família decidiu denunciar a situação.

  • Presidente demissionário da ARS fala em cortes excessivos
    2:52

    País

    O Presidente da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo, que ontem apresentou a demissão, diz que os cortes no setor da saúde não permitiram ter recursos para responder às necessidades do jovem que morreu à espera de ser operado. Luís Cunha Ribeiro diz que a situação foi, entretanto, resolvida e que casos como o de David Duarte não vão repetir-se.

  • Ministério da Saúde quer apurar responsabilidades da morte de doente em S. José
    2:14

    País

    Demitiram-se os responsáveis da saúde nos hospitais de Lisboa na sequência do caso de um homem de 29 anos que terá morrido no hospital de São José por falta de assistência médica. O centro hospitalar de Lisboa Central confirmou que desde abril de 2014 não há especialistas de neurocirurgia vascular ao sábado e ao domingo. Uma situação que agora com este caso, acabou por ser resolvida.

  • Demitiram-se os presidentes da ARSLVT e dos centros hospitalares Lisboa Central e Norte
    1:28

    País

    A morte de um jovem no Hospital de São José por falta de assistência médica levou, esta noite, à demissão do presidente da ARS de Lisboa e Vale do Tejo e dos Administradores dos Centros hospitalares de Lisboa Central e do Norte. O caso em particular foi entregue à Inspeção Geral de Atividades em Saúde, pelo que em conferência de imprensa, os responsáveis hospitalares limitaram-se a fazer uma declaração, sem direito a perguntas. Luís Cunha Ribeiro explicou que está reposta a existência de profissionais de saúde especializados ao sábado e ao domingo o que esteve na origem do problema. Mas por sentir responsabilidade direta no caso, os administradores resolveram apresentar a demissão.

  • Descida da TSU inconstitucional?
    2:37

    TSU

    Especialistas ouvidos pela SIC põem em causa a constitucionalidade da descida da Taxa Social Única dos patrões, como contrapartida pelo aumento do salário mínimo. Como se trata de um imposto pago pelas empresas, só o Parlamento pode decidir uma alteração nas taxas. Neste caso, o Governo decidiu sozinho.

  • Autocarro com seguranças atacado em Braga
    0:42

    Desporto

    Dois autocarros que transportavam elementos de uma empresa de segurança foram atingidos por tiros e pedras depois do jogo entre o Sporting de Braga e o Vitória de Guimarães. O ataque deu-se a poucos quilómetros do Estádio Municipal de Braga. A PSP e a PJ estiveram no local a recolher provas.