sicnot

Perfil

País

Greve nos STCP com adesão de cerca de 20%, diz sindicato

Greve nos STCP com adesão de cerca de 20%, diz sindicato

Os trabalhadores dos Transportes Coletivos do Porto também estão em greve, a última deste ano. Contestam a redução em 50% da remuneração das horas em dias feriados.

A greve dos trabalhadores da Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP) registou no período da manhã de hoje uma adesão de cerca de 20 por cento, disse à Lusa um dirigente do Sindicato Nacional dos Motoristas.

Segundo Jorge Costa, a greve, de 24 horas, visa protestar contra a redução em 50% das horas trabalhadas em dia feriado.

Esta é a última paralisação do ano em dia feriado, depois de já em 2013 e 2014 os trabalhadores da rodoviária terem entregado um pré-aviso de greve para todos os feriados do ano.

O dirigente sindical disse à Lusa que foi já entregue um novo pré-aviso de greve para o feriado de 01 de janeiro de 2016, estando ainda a ser decidido o prolongamento do protesto a todos os feriados do próximo ano.

Segundo Jorge Costa, na STCP não foi reposto o pagamento a 100% pelo trabalho prestado em dias de feriado.

A remuneração relativa às horas extraordinárias sofreu alterações nos últimos anos, devido a medidas implementadas pelo Governo liderado pelo social-democrata Pedro Passos Coelho.

Em 2012, através de uma alteração ao Código do Trabalho, o valor pago pelo trabalho suplementar foi reduzido para metade, contudo, desde 01 de janeiro deste ano, cumprindo a decisão do Tribunal Constitucional, o anterior governo deixou cair essa medida, sendo que os trabalhadores abrangidos por contratos coletivos de trabalho devem receber o pagamento a 100%.

Contactada pela Lusa, fonte oficial da STCP garantiu que a empresa "cumpre escrupulosamente a lei".

Lusa

  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".