sicnot

Perfil

País

Sete mortos nas estradas portuguesas desde quinta-feira

Aumentou para sete o número de mortos na Operação Natal da GNR. Dois despistes de madrugada, um em Braga e outro em Ourém causaram as duas últimas vitimas mortais

Em Braga, um despiste na estrada 205-4 procvoucou a morte de uma jovem de 17 anos e ferimentos ligeiros num outro. O acidente aconteceu por volta das duas da manhã.

Em Ourém, foi também a perda de controlo do automóvel que causou a morte do condutor, de 25 anos.
Os dois acidentes, elevam para sete o número de mortos contabilizados pela GNR neste periodo natalício.

A operação "Natal Tranquilo" está na estrada desde a meia noite de dia 24. Termina amanhã. Em comparação com o ano passado, o número de mortos é já mais elevado por esta altura. Há mais um do que em 2014.
Quanto aos acidentes, resgistaram-se até agora 354, menos do que em igual periodo do ano passado.

Militares de todo o país, os comandos territoriais e da a Unidade Nacional de Trânsito reforçam por estes dias o patrulhamento das estradas, para prevenir a sinistralidade de garantir deslocações em segurança

  • A estreia de Centeno como líder do Eurogrupo
    1:56
  • Puigdemont chegou à Dinamarca e não foi detido

    Mundo

    A Justiça espanhola pediu à Dinamarca para ativar a ordem de detenção europeia contra Carles Puigdemont, que ignorou as ameaças de detenção e decidiu deslocar-se a Copenhaga para participar numa conferência. Entretanto na Catalunha, o presidente do parlamento propôs Puigdemont para voltar a dirigir o Governo Regional.

  • Eleição de Rio "embaraça" PCP e BE
    0:34

    Opinião

    Luís Marques Mendes considera que a eleição de Rui Rio veio criar embaraço ao PCP e Bloco de Esquerda. O comentador da SIC considera que a promessa de que venha a haver pactos de regime entre PS e PSD é motivo de preocupação para os parceiros do Governo.

    Luís Marques Mendes

  • O caso Assange é "um problema" para o Equador

    Mundo

    O Presidente equatoriano, Lenin Moreno, declarou no domingo que o asilo atribuído ao fundador do WikiLeaks, Julian Assange, pela embaixada do Equador em Londres desde 2012 é "um problema herdado" que constitui "mais que um aborrecimento".