sicnot

Perfil

País

Onze barras do continente condicionadas devido à agitação marítima

Onze barras de Portugal continental estão hoje fechadas a toda a navegação e outras quatro condicionadas devido à agitação marítima forte, prevendo-se ondas com 4 a 5 metros, informou a Marinha portuguesa.

ANTÓNIO ARAÚJO

De acordo com informação disponível na página da Marinha na Internet, estão fechadas a toda a navegação as barras de Caminha, Vila Praia de Âncora, Esposende, Póvoa de Varzim, Vila do Conde, São Martinho do Porto, Lagos, Alvor, Albufeira, Tavira e Vila Real de Santo António.

A Marinha indica também que as barras de Aveiro e da Figueira da Foz estão fechadas a embarcações com comprimento inferior a 15 e 11 metros, respetivamente.

As barras de Portimão e Faro estão fechadas a embarcações com comprimento inferior a 10 metros.

Por causa da agitação marítima forte, o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) colocou sob aviso amarelo, o terceiro mais grave de uma escala de quatro, os distritos de Viana do Castelo, Braga, Porto, Aveiro, Leiria, Coimbra, Lisboa, Setúbal, Beja e Faro entre as 03:00 e as 18:00 de hoje, prevendo-se ondas com 4 a 5 metros.

O instituto prevê para hoje na costa ocidental ondas de sudoeste com 4 a 5 metros, passando gradualmente a ondas de oeste com 2,5 a 3,5 metros.

Na costa sul prevê-se ondas de sueste com 2 a 3 metros, passando gradualmente a ondas de sudoeste com 1,5 a 2,5 metros.

O aviso amarelo, o terceiro mais grave numa escala de quatro níveis, alerta para situações de risco para determinadas atividades dependentes das condições meteorológicas.

O IPMA prevê para hoje no continente céu muito nublado, com abertas a partir da tarde nas regiões norte e centro, períodos de chuva, por vezes forte, passando gradualmente a regime de aguaceiros fracos e pouco frequentes durante a tarde e que poderão ser na forma de neve acima de 1400 metros de altitude e condições favoráveis à ocorrência de trovoada.

Está também previsto vento moderado do quadrante sul, soprando moderado a forte no litoral, com rajadas até 80/100 quilómetros por hora, em especial a norte do Cabo Mondego, tornando-se fraco a moderado do quadrante oeste durante a tarde.

Nas terras altas, o vento soprará forte a muito forte do quadrante sul com rajadas até 120 quilómetros por hora, tornando-se moderado a forte do quadrante oeste a partir do meio da tarde.

O IPMA prevê ainda subida da temperatura mínima e descida da temperatura máxima nas regiões norte e centro.

Quanto às temperaturas, em Lisboa vão oscilar entre 15 e 18 graus Celsius, no Porto entre 13 e 16, em Vila Real entre 8 e 12, em Viseu entre 9 e 12, em Bragança entre 3 e 10, na Guarda entre 5 e 9, em Coimbra entre 12 e 16, em Castelo Branco entre 8 e 13, em Santarém entre 14 e 18, em Évora entre 11 e 16, em Beja entre 13 e 17 e em Faro entre 16 e 19.

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.