sicnot

Perfil

País

Operadores do Porto de Lisboa deixam reunião com Governo sem comentários

Os operadores do Porto de Lisboa reuniram-se esta segunda-feira com a ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, recusando-se a fazer declarações após o encontro promovido pela governante para mediar o conflito laboral com o Sindicato dos Estivadores.

A ministra do Mar, Ana Paula Vitorino.

A ministra do Mar, Ana Paula Vitorino.

ANTONIO COTRIM / Lusa

Durante cerca de hora e meia, três representantes dos operadores do Porto de Lisboa estiveram reunidos no Ministério do Mar com a ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, e com a presidente da Administração do Porto de Lisboa, Marina Ferreira, convocada pela governante com o objetivo de mediar o conflito laboral que já levou à suspensão da escala de dois grandes armadores.

Em seguida, Ana Paula Vitorino reúne-se com o Sindicato dos Estivadores, que iniciou um período de greve a 14 de novembro, que se estenderá pelo menos até 20 de janeiro.

Na terça-feira, Ana Paula Vitorino anunciou no parlamento que iria promover reuniões com os operadores e com o Sindicato dos Estivadores, em separado, para tentar "promover a paz social" no Porto de Lisboa.

Em audição na comissão parlamentar de Economia, Inovação e Obras Públicas sobre a 'fuga' de armadores do Porto de Lisboa, na sequência da suspensão da operação da Maersk, Ana Paula Vitorino considerou que a saída do grupo dinamarquês foi o "corolário de um processo mal conduzido durante três anos".

A ministra do Mar defendeu que "não é normal que a administração do Porto de Lisboa e o Governo se demitam de tentar promover a paz social".

"A estratégia que vamos seguir é de promover o diálogo entre as partes", declarou a governante, quando questionada sobre o que o Governo fará para ultrapassar o conflito laboral no Porto de Lisboa, que se traduz numa ameaça de greve dos estivadores que impede os operadores de contratarem novos trabalhadores portuários.

Lusa

  • Pyongyang compara Trump a Hitler

    Mundo

    A Coreia do Norte compara o Presidente norte-americano Donald Trump a Adolf Hitler. Pyongyang já acostumou o mundo à sua linguagem "colorida" quando critica os seus inimigos. Mas comparações com o responsável por mais de 60 milhões de mortes são muito raras.