sicnot

Perfil

País

Portas sai manifestando "grande esperança na nova geração do CDS"

DISCURSO NA ÍNTEGRA

Portas sai manifestando "grande esperança na nova geração do CDS"

O presidente do CDS-PP manifestou-se hoje confiante na nova geração a quem vai passar o testemunho, prometendo isenção na escolha do seu sucessor e revelando que sairia mesmo que o Governo com o PSD tivesse continuado em funções.

"Quero que saibam que se as eleições de 4 de outubro tivessem resultado num novo mandato de Governo da coligação, antes do final eu teria, e sobre isso conversei com o presidente do PSD, com tempo e naturalmente, aberto a sucessão no meu partido", revelou Paulo Portas.

Numa declaração na sede do partido, em Lisboa, após a reunião da comissão política nacional em que comunicou que não se recandidata à liderança dos centristas no 26º Congresso, Paulo Portas citou João Paulo II e pediu aos militantes e simpatizantes que não tenham medo da próxima etapa da vida do partido.

"O partido fará com total isenção da minha parte uma escolha de futuro, que deve ter toda liberdade para se afirmar", declarou, manifestando "uma grande nova esperança na nova geração do CDS", à qual "chegou o tempo de, num ciclo político novo, dar grandes responsabilidades".

Paulo Portas afastou qualquer comparação com a liderança do seu ex-parceiro de coligação, Pedro Passos Coelho, e sublinhou a principal razão que o leva a deixar a liderança do CDS é a longevidade da sua presidência, para qual foi eleito pela primeira vez em 1998 (esteve ausente apenas dois anos, entre 2005 e 2007).

"É honesto estar consciente de que se me candidatasse agora teria de estar disponível não para um mandato de dois anos, mas vários mandatos de vários anos, os da oposição e da reconquista e do regresso do centro direita ao Governo", afirmou.

"Isso levaria a minha presidência do CDS para lá de 20 anos de exercício, o que, com toda a franqueza, não é politicamente desejável", afirmou.

Paulo Portas defendeu ainda, numa declaração em que não respondeu a perguntas, que "depois do que aconteceu a 4 de outubro nada ficará como dantes", numa referência ao Governo apoiado pela maioria de esquerda no parlamento, e que o "centro-direita só voltará a ser Governo em Portugal com maioria absoluta de deputados, qualquer outro cenário é um risco fatal".

"O CDS e certamente o PSD vão ter de pedalar, inovar e crescer muito", declarou.

O líder do CDS argumentou que, "no futuro, o chamado voto útil será muito mais relevante" e "os portugueses darão mais valor a um partido que não é calculista e não é demagogo".

Paulo Portas insistiu na mensagem de esperança e confiança na nova geração do partido, pela qual, disse, puxou, incentivando os jovens dirigentes a andarem "pelo seu pé" e a "não dependerem da política".

"O CDS foi sempre capaz de, nas horas certas, dar um salto em frente quando um novo ciclo político se abre", declarou, considerando que a sua sucessão não deve ser olhada "como um problema, mas uma oportunidade, algo que traz ao CDS renovação e não apenas continuidade, uma decisão que, em qualquer caso, deverá permitir ao CDS renovar a sua liderança, reposicionar a sua estratégia, recomeçar a sua luta, refletir num novo projeto e numa nova agenda".

Portas disse conhecer e perceber mas não estar excessivamente preocupado "com a natural e muito democrática preocupação que possam ter neste momento os militantes e simpatizantes".

"Porventura, a personalidade que mais marcou a minha geração disse um dia 'não tenham medo, não tenham medo'. É isso que neste tempo de vésperas, para construir futuro, para passar o testemunho, para confiar em gente com muita qualidade, eu queria dizer em último lugar, como se fosse em primeiro. Não tenham medo, não tenham medo, confiem, o CDS vai ser capaz", pediu o líder cessante.

A afirmação de Paulo Portas inclui uma dupla citação, por um lado, do papa João Paulo II, ao pedir "não tenham medo" e, por outro lado, do antigo presidente do CDS Adriano Moreira, ao usar a expressão "tempo de vésperas".

O Conselho Nacional do partido, o órgão máximo entre congressos, reunirá no dia 8 de janeiro para convocar o 26.º Congresso, e definir o local, a data e os regulamentos da reunião magna dos centristas que estatuariamente é eletiva da liderança e teria de realizar-se em 2016.

Com Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.