sicnot

Perfil

País

PR dirige 6ªfeira última mensagem de Ano Novo, a menos de um mês das presidenciais

Pela última vez, o Presidente da República dirige na sexta-feira a tradicional mensagem de Ano Novo aos portugueses, a menos de um mês das eleições presidenciais e sete semanas depois de ter dado posse a um novo Governo.

© Rafael Marchante / Reuters

Será pela hora do jantar que o chefe de Estado, Aníbal Cavaco Silva, irá proferir o último discurso de Ano Novo, antes de terminar o seu mandato em Belém, a 09 de março de 2016.

Habitualmente a intervenção é aproveitada pelo chefe de Estado para deixar alertas para o futuro, como aconteceu no ano passado, quando Cavaco Silva apontou 2015 como "um ano de escolhas decisivas".

Centrando a sua mensagem nas eleições legislativas que acabaram por se realizar a 04 de outubro, o Presidente da República recomendou aos partidos cuidado nas promessas eleitorais que iriam apresentar, sublinhando que os problemas do país não se resolvem "num clima de facilidade".

Sem antever o que se passaria a seguir às eleições - com a queda do Governo de coligação PSD/CDS-PP apenas cerca de um mês após a tomada de posse, na sequência do chumbo do programa do executivo, e a posterior formação de um Governo socialista com o apoio parlamentar do BE, do PCP e do PEV - Cavaco Silva interpelou ainda os portugueses e, em especial, os políticos a preparem o período pós-eleições.

Pois, acrescentou, não é só no dia a seguir às eleições que se constroem "soluções governativas estáveis, sólidas e consistentes, capazes de assegurar o crescimento económico e dar esperança aos portugueses".

Um ano antes, a 01 de janeiro de 2014, e seis meses depois da crise política que abalou o Governo liderado por Pedro Passos Coelho, o Presidente da República aproveitou a mensagem de Ano Novo para retomar o apelo aos partidos para um "compromisso de salvação nacional", insistindo que os portugueses beneficiariam desse acordo no período `pós-troika´ e apelou ao "espírito construtivo".

A meses do fim do programa de assistência financeira, o Presidente falou sobre a hipótese de um segundo resgate, dizendo não haver razões para crer que Portugal teria essa necessidade. Em maio, viria a certeza de que Portugal teria uma 'saída limpa'.

Em 2013, foi na mensagem de Ano Novo que o chefe de Estado anunciou que iria requerer ao Tribunal Constitucional a fiscalização sucessiva do Orçamento para esse ano, argumentando que havia "fundadas dúvidas sobre a justiça na repartição dos sacrifícios".

Quase em jeito de antecipação do que viria a acontecer no verão, Cavaco Silva aproveitou ainda a mensagem de Ano Novo para advertir que Portugal não estava "em condições de juntar uma grave crise política à crise" em que o país estava mergulhado e defendeu a necessidade de "urgentemente pôr cobro" à "espiral recessiva" e concentrar esforços no crescimento económico.

Na primeira mensagem de Ano Novo do seu segundo mandato em Belém, e quando se completavam quase seis meses do Governo PSD/CDS-PP liderado por Pedro Passos Coelho, o chefe de Estado já tinha falado da importância de uma agenda para o crescimento e emprego, considerando que sem isso a situação social se poderia tornar "insustentável".

"A resolução dos desafios que Portugal enfrenta exige" uma estratégia que vá "além do rigor orçamental", defendeu o Presidente da República, apelando ainda ao "diálogo construtivo entre o Governo e a oposição" e ao "aprofundamento da concertação social".

Em 2007, na primeira mensagem de Ano Novo que dirigiu aos portugueses enquanto Presidente da República, e ainda com José Sócrates como primeiro-ministro, Cavaco Silva pediu resultados, exigindo "progressos claros" na economia, educação e justiça. Apontando 2007 como um ano crucial para o futuro do país, o chefe de Estado, defendeu ainda um "relacionamento salutar" entre os órgãos de soberania.

  • Manuel Delgado demitiu-se devido a "grave violação da privacidade"

    País

    O ex-secretário de Estado da Saúde diz que apresentou a demissão para "não perturbar nem criar qualquer tipo de embaraço ao normal funcionamento do Governo". Num comunicado, Manuel Delgado esclarece que foi remunerado pelo trabalho de consultor na Raríssimas "muito antes" da entrada no Governo e acrescenta que respeitou na íntegra todo o quadro legal e ético.

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Tripulantes da TAP acusam companhia de desrespeitar compromissos
    3:16

    Economia

    O Sindicato que representa os tripulantes da TAP acusa a empresa de estar a violar a lei. A companhia aérea portuguesa denunciou unilateralmente o acordo de empresa com os tripulantes e apresentou novas condições, que o sindicato considera indignas. Diz que os tripulantes fizeram esforços pela companhia no verão e que agora estão a ser desrespeitados.

  • Uma "Árvore da Esperança" pelas vítimas dos fogos
    2:01
  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06
  • Zapatou volta a eleger os melhores vídeos da internet
    6:28