sicnot

Perfil

País

Proteção Civil alerta para chuva, vento forte e agitação marítima

A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) alertou hoje a população para adotar medidas preventivas durante a condução devido às previsões de precipitação, vento forte e agitação marítima para o período do fim de ano.

Num aviso à população devido à previsão de condições meteorológicas adversas, nomeadamente precipitação, vento forte e agitação marítima entre hoje e domingo, a ANPC recomenda à adoção dos "mecanismos necessários de prevenção, monitorização e resposta adequadas" para evitar um aumento de sinistralidade rodoviária.

A Proteção Civil chama também a atenção das pessoas que vão passar a festa de fim de ano junto ao mar devido ao possível aumento da agitação marítima.

Tendo em conta as previsões meteorológicas, a ANPC refere que é expectável que o piso rodoviário fique escorregadio e que se formem lençóis de água, além da possibilidade de cheias rápidas em meio urbano e inundação nas zonas historicamente mais vulneráveis.

A Proteção Civil alerta também para a possibilidade de queda de ramos ou árvores devido ao vento mais forte e eventual aumento do número de acidentes, tendo em conta o tráfego rodoviário nesta altura do ano.

Como medidas preventivas, a ANPC recomenda a população a adotar uma condução defensiva, adequando a condução ao estado do piso, às condições de visibilidade, ao estado de carga do veículo e à intensidade do trânsito, bem como verificar o bom estado de funcionamento dos veículos e cumprir a legislação em vigor no que respeita à ingestão de bebidas alcoólicas e utilização de telemóvel durante a condução.

Garantir a desobstrução dos sistemas de escoamento das águas pluviais, não atravessar zonas inundadas, estar atento à possibilidade de queda de ramos ou árvores e ter especial cuidado na circulação junto da orla costeira e zonas ribeirinhas são outras das recomendações da ANPC.

Lusa

  • Caixa multibanco assaltada em Portugal a cada dois dias
    2:43

    País

    O semanário Expresso conta que a mulher que morreu vítima de um disparo de agentes da PSP foi atingida pelas costas. O caso está a ser investigado pela PJ, que procura encaixar as peças da noite que acabou com uma morte inocente mas que começou com uma perseguição a um grupo de assaltantes de um multibanco. Assaltos que são cada vez mais comuns e que preocupam o Governo. A cada dois dias, uma caixa é assaltada.