sicnot

Perfil

País

Seis barras do continente fechadas devido à agitação marítima

Seis barras de Portugal continental estão esta quarta-feira fechadas a toda a navegação e outras quatro condicionadas devido à agitação marítima forte, prevendo-se ondas com 4 a 4,5 metros, informou a Marinha portuguesa.

Estão fechadas a toda a navegação as barras de Caminha, Vila Praia de Âncora, Esposende, Póvoa de Varzim, Vila do Conde e Douro. (Arquivo)

Estão fechadas a toda a navegação as barras de Caminha, Vila Praia de Âncora, Esposende, Póvoa de Varzim, Vila do Conde e Douro. (Arquivo)

© Rafael Marchante / Reuters

De acordo com informação disponível na página da Marinha na Internet, estão fechadas a toda a navegação as barras de Caminha, Vila Praia de Âncora, Esposende, Póvoa de Varzim, Vila do Conde e Douro.

A Marinha indica também que as barras de Aveiro e da Figueira da Foz estão fechadas a embarcações com comprimento inferior a 15 e 35 metros, respetivamente.

As barras de Viana do Castelo e Douro estão fechadas a embarcações com comprimento inferior a 30 e 11 metros, respetivamente.

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) prevê para hoje na costa ocidental ondas de oeste-noroeste com 3 a 3,5 metros, aumentando gradualmente para 4 a 4,5 metros e sendo ondas oeste-sudoeste a norte da Foz do Rio Douro até meio da tarde.

Na costa sul, prevê-se ondas de sudoeste com 1 a 1,5 metros.

Por causa da agitação marítima, o instituto colocou os distritos de Viana do Castelo, Braga, Porto, Vila Real, Bragança, Aveiro, Coimbra, Guarda e Viseu sob aviso amarelo entre as 06:00 as 21:00 hoje devido à previsão de vento forte, com rajadas até 95 quilómetros por hora nas terras altas.

O IPMA prevê para hoje no nas regiões do norte e centro do continente céu geralmente muito nublado, períodos de chuva no litoral, estendendo-se gradualmente às restantes regiões, por vezes forte durante a tarde no Minho e Douro Litoral, passando gradualmente a regime de aguaceiros e queda de neve acima dos 1200/1400 metros para o fim do dia na região norte.

Está também previsto vento fraco a moderado do quadrante sul, soprando moderado a forte, em especial durante a tarde e nas regiões do litoral, com rajadas até 80 quilómetros por hora a norte do Cabo Mondego, diminuindo de intensidade e tornando-se do quadrante oeste no final do dia.

Nas terras altas, prevê-se vento forte com rajadas até 95 quilómetros por hora, tornando-se do quadrante oeste no final do dia.

A previsão aponta ainda para formação de geada em alguns locais do interior, neblina ou nevoeiro matinal e subida da temperatura mínima no litoral.

No sul prevê-se céu geralmente muito nublado, períodos de chuva fraca a partir da manhã no litoral, estendendo-se gradualmente às regiões do interior e tornando-se moderada a partir do final da tarde, vento fraco a moderado do quadrante sul, soprando temporariamente moderado a forte no litoral oeste e nas terras altas, tornando-se do quadrante oeste a partir do final do dia e neblina ou nevoeiro matinal.

Em Lisboa, as temperaturas vão variar entre 14 e 18 graus celsius, no Porto, entre 13 e 16, em Vila Real, entre 5 e 13, em Viseu, entre 7 e 12, em Bragança, entre 3 e 10, na Guarda, entre 6 e 7, em Castelo Branco, entre 8 e 11, em Santarém, entre 11 e 18, em Évora, entre 7 e 17, em Beja, entre 9 e 18 e em Faro, entre 12 e 19.

Lusa

  • Manuel Valls diz que Trump fez declaração de guerra à Europa

    Mundo

    O antigo primeiro-ministro francês Manuel Valls, aspirante a candidato socialista às presidenciais deste ano, considerou esta segunda-feira como uma "declaração de guerra" as afirmações do futuro Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre a União Europeia.

  • Morreu o último homem que pisou a Lua

    Mundo

    O astronauta norte-americano Eugene Cernan, o último homem a pisar a Lua, morreu esta segunda-feira aos 82 anos, informou a agência espacial norte-americana, NASA.

  • Novo motim em prisão brasileira do Rio Grande do Norte

    Mundo

    Um motim ocorreu esta segunda-feira de madrugada numa prisão do estado brasileiro de Rio Grande do Norte, sem fazer feridos ou mortos, depois de uma rebelião numa outra prisão do mesmo estado ter feito 26 mortos no fim de semana.

  • Cheias e derrocadas destroem várias casas no Peru
    0:42

    Mundo

    Um deslizamento de terras seguido de uma inundação destruiu várias casas no Peru. As imagens mostram o momento em que o deslizamento acontece e o caos que se gerou. O trânsito ficou cortado e as inundações que se seguiram obrigaram várias pessoas a abandonar as suas habitações.