sicnot

Perfil

País

Seis barras do continente fechadas devido à agitação marítima

Seis barras de Portugal continental estão esta quarta-feira fechadas a toda a navegação e outras quatro condicionadas devido à agitação marítima forte, prevendo-se ondas com 4 a 4,5 metros, informou a Marinha portuguesa.

Estão fechadas a toda a navegação as barras de Caminha, Vila Praia de Âncora, Esposende, Póvoa de Varzim, Vila do Conde e Douro. (Arquivo)

Estão fechadas a toda a navegação as barras de Caminha, Vila Praia de Âncora, Esposende, Póvoa de Varzim, Vila do Conde e Douro. (Arquivo)

© Rafael Marchante / Reuters

De acordo com informação disponível na página da Marinha na Internet, estão fechadas a toda a navegação as barras de Caminha, Vila Praia de Âncora, Esposende, Póvoa de Varzim, Vila do Conde e Douro.

A Marinha indica também que as barras de Aveiro e da Figueira da Foz estão fechadas a embarcações com comprimento inferior a 15 e 35 metros, respetivamente.

As barras de Viana do Castelo e Douro estão fechadas a embarcações com comprimento inferior a 30 e 11 metros, respetivamente.

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) prevê para hoje na costa ocidental ondas de oeste-noroeste com 3 a 3,5 metros, aumentando gradualmente para 4 a 4,5 metros e sendo ondas oeste-sudoeste a norte da Foz do Rio Douro até meio da tarde.

Na costa sul, prevê-se ondas de sudoeste com 1 a 1,5 metros.

Por causa da agitação marítima, o instituto colocou os distritos de Viana do Castelo, Braga, Porto, Vila Real, Bragança, Aveiro, Coimbra, Guarda e Viseu sob aviso amarelo entre as 06:00 as 21:00 hoje devido à previsão de vento forte, com rajadas até 95 quilómetros por hora nas terras altas.

O IPMA prevê para hoje no nas regiões do norte e centro do continente céu geralmente muito nublado, períodos de chuva no litoral, estendendo-se gradualmente às restantes regiões, por vezes forte durante a tarde no Minho e Douro Litoral, passando gradualmente a regime de aguaceiros e queda de neve acima dos 1200/1400 metros para o fim do dia na região norte.

Está também previsto vento fraco a moderado do quadrante sul, soprando moderado a forte, em especial durante a tarde e nas regiões do litoral, com rajadas até 80 quilómetros por hora a norte do Cabo Mondego, diminuindo de intensidade e tornando-se do quadrante oeste no final do dia.

Nas terras altas, prevê-se vento forte com rajadas até 95 quilómetros por hora, tornando-se do quadrante oeste no final do dia.

A previsão aponta ainda para formação de geada em alguns locais do interior, neblina ou nevoeiro matinal e subida da temperatura mínima no litoral.

No sul prevê-se céu geralmente muito nublado, períodos de chuva fraca a partir da manhã no litoral, estendendo-se gradualmente às regiões do interior e tornando-se moderada a partir do final da tarde, vento fraco a moderado do quadrante sul, soprando temporariamente moderado a forte no litoral oeste e nas terras altas, tornando-se do quadrante oeste a partir do final do dia e neblina ou nevoeiro matinal.

Em Lisboa, as temperaturas vão variar entre 14 e 18 graus celsius, no Porto, entre 13 e 16, em Vila Real, entre 5 e 13, em Viseu, entre 7 e 12, em Bragança, entre 3 e 10, na Guarda, entre 6 e 7, em Castelo Branco, entre 8 e 11, em Santarém, entre 11 e 18, em Évora, entre 7 e 17, em Beja, entre 9 e 18 e em Faro, entre 12 e 19.

Lusa

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Dominado incêncio no centro de tratamento de resíduos da Tratolixo
    1:55

    País

    O fogo na Tratolixo, em Trajouce, deflagrou esta segunda-feira à noite. As chamas foram controladas a meio da manhã pelos bombeiros. No local estão 133 operacionais, apoiados por 51 veículos. O fogo não fez vítimas nem danos materiais. O vento dificultou o combate às chamas.

  • Duas execuções no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.