sicnot

Perfil

País

Cavaco dirige hoje última mensagem de Ano Novo

A pouco mais de dois meses de abandonar a chefia do Estado, Cavaco Silva dirige esta sexta-feira pela última vez a tradicional mensagem de Ano Novo aos portugueses, sete semanas depois de ter dado posse ao Governo de António Costa.

Será a 9 de março que o Presidente da República termina o segundo mandato em Belém, passando a 'pasta' ao seu sucessor que será eleito nas eleições de 24 de janeiro.

Será a 9 de março que o Presidente da República termina o segundo mandato em Belém, passando a 'pasta' ao seu sucessor que será eleito nas eleições de 24 de janeiro.

Lusa

Será a 9 de março que o Presidente da República termina o segundo mandato em Belém, passando a 'pasta' ao seu sucessor que será eleito nas eleições de 24 de janeiro.

O discurso de Ano Novo, transmitido pela hora de jantar, é normalmente aproveitado pelo chefe de Estado para falar sobre o futuro, à semelhança do que aconteceu o ano passado, quando apontou 2015 como "um ano de escolhas decisivas".

Centrando a mensagem nas eleições legislativas que acabariam por se realizar a 04 de outubro, Cavaco Silva recomendou aos partidos cuidado nas promessas eleitorais que iriam apresentar, sublinhando que os problemas do país não se resolvem "num clima de facilidade".

Sem prever o que se passaria a seguir às eleições - com a queda do Governo de coligação PSD/CDS-PP apenas um mês após a tomada de posse, na sequência do chumbo do programa do executivo, e a posterior formação de um Governo socialista com o apoio parlamentar do BE, do PCP e do PEV - Cavaco Silva interpelou ainda os portugueses e os políticos a preparem o período pós-eleições.

Pois, disse, não é só no dia a seguir às eleições que se constroem "soluções governativas estáveis, sólidas e consistentes, capazes de assegurar o crescimento económico e dar esperança aos portugueses".

Em 2014, seis meses depois da crise política que abalou o Governo liderado por Pedro Passos Coelho, o Presidente da República retomou na mensagem de Ano Novo o apelo aos partidos para um "compromisso de salvação nacional".

No ano anterior, a 01 de janeiro de 2013, o discurso de Ano Novo foi aproveitado para um anúncio, com Cavaco Silva a revelar que iria requerer ao Tribunal Constitucional a fiscalização sucessiva do Orçamento, argumentando que havia "fundadas dúvidas sobre a justiça na repartição dos sacrifícios".

Quase em jeito de antecipação do que aconteceu no verão desse ano, Cavaco Silva advertir que Portugal não estava "em condições de juntar uma grave crise política à crise" em que o país estava mergulhado e defendeu a necessidade de "urgentemente pôr cobro" à "espiral recessiva" e concentrar esforços no crescimento económico.

Na primeira mensagem de Ano Novo do seu segundo mandato em Belém, e quando se completavam quase seis meses do Governo PSD/CDS-PP liderado por Pedro Passos Coelho, o chefe de Estado vincou a importância de uma agenda para o crescimento e emprego, considerando que sem isso a situação social se poderia tornar "insustentável".

Lusa

  • "Se Portugal não confia no sistema judicial de Angola não deve fazer negócios com o país"
    18:27

    País

    O julgamento do caso Fizz arrancou esta segunda-feira. Victor Silva, diretor do Jornal de Angola, esteve na Edição da Noite para analisar como estão as relações entre Portugal e Angola, numa altura em que Manuel Vicente viu recusada a transferência do processo para o país angolano. Victor Silva afirmou que a decisão de "separar os processos vai de encontro aos interesses dos dois estados" e vai mais longe ao dizer que se Portugal "não confia no sistema judicial de Angola então não pode fazer negócios com o país".

  • Obras no Estádio do Estoril já começaram

    Desporto

    A Câmara de Cascais emitiu esta segunda-feira um comunicado a informar que já começaram os trabalhos no Estádio do Estoril e que, segundo a autarquia, seguem as recomendações do Laboratório Nacional de Engenharia Civil.

  • Centeno promete avançar com reformas para a zona euro
    1:45

    Economia

    Mário Centeno liderou esta segunda-feira a primeira reunião do Eurogrupo. O ministro das Finanças português prometeu pôr mãos à obra para reformar a zona euro e, sem se comprometer com datas, deixou a porta entreaberta à entrada da Bulgária na zona euro.

  • Será este o "momento mais Ronaldo" de sempre?

    Desporto

    Cristiano Ronaldo é protagonista de mais um momento que corre nas redes sociais. Depois de marcar o sexto golo do Real Madrid frente ao Desportivo da Corunha, o jogador português ficou ferido no rosto e foi obrigado a abandonar o campo. Mas antes, mesmo com a cara ensanguentada, pediu um telemóvel com "espelho" para ver a extensão do corte. Há quem brinque com a situação, dizendo que Ronaldo levou a sua obsessão com a sua imagem a um novo nível, mas há também quem desvalorize a situação.

    SIC

  • O jogador de futebol que se tornou Presidente de um país

    Mundo

    George Weah tomou posse esta segunda-feira como Presidente da Libéria. Foi a segunda vez que o antigo futebolista concorreu ao cargo, depois de em 2005 ser derrotado pela candidata Ellen Johnson-Sirleaf. Foi o primeiro e único futebolista africano a receber uma Bola de Ouro. A história de George Weah também passou por Portugal, onde ficou conhecido pela agressão ao ex-jogador do FC Porto, Jorge Costa, em 1996.

    Ana Rute Carvalho

  • Decifrado pergaminho encontrado há 50 anos

    Mundo

    Investigadores israelitas reconstituíram e decifraram um dos dois manuscritos de pergaminhos do Mar Morto que nunca tinham sido interpretados desde que foram descobertos há meio século, anunciou a universidade israelita de Haifa.

  • Refeição de 1.100 euros em Veneza

    Mundo

    O centro de Veneza oferece os mais variados restaurantes. Com menu obrigatório, sem menu, com taxas, sem taxas, sentando ou em pé. Depois há aqueles restaurantes que cobram 1.100 euros por cinco pratos acompanhados por água. O caso aconteceu com quatro turistas japoneses, que depois de pagarem a conta, apresentaram queixa às autoridades. O presidente da Câmara da cidade italiana já disse que ia investigar a situação e, caso se confirmasse, prometeu que iria castigar os responsáveis.

    SIC