sicnot

Perfil

País

PS diz que portugueses rejeitaram nas urnas o caminho da incerteza

O PS defendeu hoje que os portugueses rejeitaram nas urnas "os caminhos que agravaram profundamente as incertezas e os problemas sociais", numa reação à afirmação do Presidente da República de que se vive "um tempo de incerteza".

MIGUEL A. LOPES

"A maioria dos portugueses expressou-se nas últimas eleições legislativas por uma mudança de políticas, rejeitando os caminhos que agravaram profundamente as incertezas e os problemas sociais", disse à agência Lusa a secretária-geral adjunta do Partido Socialista (PS), Ana Catarina Mendes, em reação ao discurso de Ano Novo do Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, o último do seu mandato.

Cavaco Silva afirmou hoje que se vive um tempo de incerteza e que há um modelo político, económico e social a defender, que é aquele que vigorou nas últimas décadas.

Na reação, Ana Catarina Mendes saudou a confiança manifestada por Cavaco Silva na "capacidade dos portugueses, dos mais diversos setores da nossa sociedade, para superar os desafios do presente e do futuro", e contrariou a ideia da incerteza defendendo que os portugueses têm confiança na atuação do atual executivo.

"Os portugueses que fazem Portugal todos os dias têm hoje confiança num Estado que cumpre a Constituição, repondo salários e pensões devidas. Têm confiança num Governo que cumpre o que prometeu, eliminando a sobretaxa que asfixia a classe média. Têm confiança em que as dificuldades do sistema financeiro não se disfarçam, mas enfrentam-se e resolvem-se com coragem. Os portugueses vivem um tempo novo, de confiança, em que a democracia garante sempre alternativas e não está condenada ao pensamento único", disse.

A dirigente socialista disse também que temas apontados por Cavaco Silva no discurso como preocupações do seu mandato -- enumerando, por exemplo, o combate à exclusão social e à violência doméstica, ao desemprego e à pobreza -- são agora "uma parte importante da agenda assumida com clareza e determinação pelo Governo do PS, depois de uma governação da direita que deixou um impressionante e nunca antes visto lastro de rutura social no nosso país".

"Os portugueses apostam em Portugal e o PS acredita nos portugueses. Agir para que os portugueses se possam realizar pessoal e profissionalmente no país que é o de todos nós, é a razão fundamental da ação do governo do PS", declarou Ana Catarina Mendes.

O PS saudou também o apelo do Presidente da República para um acolhimento aos refugiados que chegam ao país que afirme a "identidade universalista" dos portugueses e que se distancie das "pulsões extremistas e xenófobas" que emergem em "várias paragens" na Europa.

Lusa

  • "Vivemos um tempo de incerteza"
    2:25

    País

    Cavaco Silva diz que o país vive "um tempo de incerteza" e que há um país real que muitos agentes políticos desconhecem. Na última mensagem de Ano Novo que dirige ao país enquanto Presidente da República, faz um balanço de dez anos de mandato diz que é fundamental combater as desigualdades e sublinha que há um modelo político, económico e social a defender.

  • Direita elogia mensagem e mandatos de Cavaco
    1:28

    País

    O PCP comentou a mensagem de Ano Novo do Chefe de Estado dizendo que Portugal não precisa de mais presidentes como Cavaco Silva. Já o Bloco de Esquerda considera que o discurso marca o fim "de 20 anos de cavaquismo". O PSD e o CDS elogiaram os mandatos de Cavaco e deixaram críticas ao PS.

  • Marcelo lembra as consequências da demissão de Vítor Gaspar
    1:06

    Caso CGD

    O Presidente da República reitera que o assunto Caixa Geral de Depósitos está fechado. Em entrevista à TVI, Marcelo Rebelo de Sousa lembrou esta segunda-feira as consequências que a demissão de Vítor Gaspar, ministro das Finanças em 2013, provocou no sistema financeiro para justificar o facto de ter intervindo na polémica com as SMS trocadas entre Mário Centeno e António Domingues.

  • PSD e CDS admitem chamar António Costa à nova Comissão de Inquérito à CGD
    2:37

    Caso CGD

    PSD e CDS admitem chamar o primeiro-ministro à nova Comissão de Inquérito à CGD. Apesar de ser uma hipótese, a SIC sabe que os dois partidos ainda estão a definir o objeto do inquérito e, por isso, afirmam que é prematuro falar sobre eventuais audições. Seja como for, António Costa voltou esta segunda-feira a dizer que o assunto está encerrado.

  • Acha que conhece o seu país?
    27:42
  • Avioneta despenha-se em centro comercial de Melbourne

    Mundo

    Uma avioneta com cinco pessoas a bordo caiu num centro comercial perto do aeroporto de Essendon em Melbourne, capital da Austrália. Segundo a polícia do estado de Vitória tratava-se de um voo charter com destino a King Island, situada entre a parte continental da Austrália e a ilha da Tasmânia.

  • Pelo menos 18 detidos em protestos no Rio de Janeiro

    Mundo

    Pelo menos 18 pessoas foram esta segunda-feira detidas no Rio de Janeiro, Brasil, depois de confrontos com a polícia durante um protesto contra a privatização da empresa pública de saneamento, que serve o terceiro estado mais povoado do país.

  • O momento em que Kim Jong-nam terá sido envenenado
    1:21

    Mundo

    A investigação ao homicídio do meio-irmão do líder da Coreia do Norte no aeroporto da capital da Malásia está a provocar uma crise diplomática entre os dois países. Esta segunda-feira, um canal de televisão japonês divulgou imagens das câmaras de vigilância do aeroporto que alegadamente captam o momento em que Kim Jong-nam terá sido envenenado.

  • O atentado na Suécia inventado por Donald Trump
    2:12
  • Os ensaios para a maior festa do ano
    1:16

    Mundo

    Em contagem decrescente para o Carnaval, no Rio de Janeiro, já começaram os ensaios para a maior festa do ano. A noite de testes na avenida Marquês de Sapucaí conta com desfiles gratuitos.