sicnot

Perfil

País

Polícia Marítima resgata quase 2 mil refugiados em três meses de missão na Grécia

A Polícia Marítima (PM) anunciou hoje que resgatou 1.810 migrantes e refugiados, 409 dois quais crianças e bebés, prestou apoio de primeiros socorros a 15 pessoas e deteve quatro facilitadores nos primeiros três meses de missão na Grécia.

(Arquivo/Reuters)

(Arquivo/Reuters)

© Umit Bektas / Reuters

Desde 01 de outubro que uma equipa da Polícia Marítima (PM) está no Mar Egeu, na Grécia, no âmbito de uma operação da Agência Europeia da Gestão da Cooperação Operacional nas Fronteiras Externas dos Estados-Membros da União Europeia (Frontex), denominada "Poseidon Sea 2015" com "o objetivo de cooperar no controlo e vigilância das fronteiras marítimas gregas e no combate ao crime transfronteiriço".

Num balanço dos primeiros três meses de missão na Grécia, a Autoridade Marítima Nacional (AMN) indica que a equipa da PM realizou, entre 01 de outubro e 31 de dezembro, 51 missões de busca e salvamento e resgatou 1.810 pessoas, das quais 409 era bebés e crianças e 381 mulheres.

Segundo a AMN, a patrulha portuguesa deteve quatro facilitadores e prestou apoio de primeiros socorros a quinze migrantes e refugiados, tendo administrado oxigénio e, em três dos casos, aplicado manobras de suporte básico de vida.

A equipa da PM apoia também os migrantes e refugiados com mantas térmicas, águas e bolachas, sempre que necessário, adianta a AMN, referindo que um dos membros da patrulha portuguesa recuperou sem vida do interior de uma embarcação naufragada quatro pessoas, duas das quais bebés.

A equipa da PM, composta por seis elementos e duas embarcações, realizaram, nos primeiros três meses, 552 horas de navegação, num total de 2.850 milhas náuticas efetuadas.

A AMN refere também que a equipa da PM é a única força na ilha de Lesbos em que todos os elementos possuem formação em suporte básico de vida e oxigenoterapia e têm a bordo equipamentos de oxigenoterapia e de monitorização dos valores de oxigénio no sangue e dos batimentos cardíacos, capacidades que já se revelaram fundamentais para o sucesso da reanimação cardiorrespiratória de um homem, duas mulheres e duas crianças com cerca de 2 e 4 anos.

Em outubro, os elementos da PM receberam um louvor público da guarda-costeira grega por terem conseguido deter um facilitador referenciado e considerado perigoso, perseguido pelas autoridades gregas há mais de dois meses.

A AMN avança que a equipa de seis elementos da PM vai ser reforçada, a partir de segunda-feira, com mais um agente.

A missão da Polícia Marítima no mar Egeu de apoio à guarda-costeira grega termina a 30 de setembro de 2016.

Lusa

  • Marcelo condecora hoje Francisco Sá Carneiro a título póstumo
    0:55

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa vai condecorar hoje Francisco Sá Carneiro, a título póstumo. A cerimónia será incluída nas celebrações do 25 de Abril. Também a título póstumo, o Presidente da República vai ainda homenagear o antigo bispo do Porto D. António Ferreira Gomes. As condecorações têm lugar esta tarde no Palácio de Belém para onde já estava marcada a condecoração do arquiteto Siza Vieira. Todos, diz Marcelo, são figuras ligadas à liberdade e democracia.

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Desconhecem-se as causas do incêndio na fábrica da Tratolixo
    0:43

    País

    Os moradores de Trajouce, em São Domingos de Rana, não ganharam para o susto com um incêndio nas instalações da empresa de resíduos Tratolixo.O alerta foi dado por populares e trabalhadores da empresa. O vento foi o maior problema dos bombeiros no combate às chamas durante a noite. No local estiveram 133 homens, apoiados por 51 viaturas.Desconhecem-se para já as causas do incêndio. O incêndio foi circunscrito de madrugada, mas pode demorar algumas horas a ser dominado.

  • Duas execução no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.