sicnot

Perfil

País

Fenprof mantém greve no ensino artístico privado para proteger professores

A greve dos professores do ensino artístico privado arranca hoje, ainda que a maioria dos atrasos nos salários esteja em vias de resolução, para proteger aqueles que não têm como pagar as deslocações, justificou a Fenprof.

Lusa

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) entregou em dezembro um pré-aviso de greve dos professores das escolas de ensino artístico especializado, para uma paralisação com início hoje e que se estende a todo o mês de janeiro, podendo ser "prolongada mensalmente enquanto se justificar", admitia a federação há algumas semanas, num comunicado.

A federação justificava a decisão com "a situação dramática" de docentes que não recebem salário "há vários meses", defendendo a demissão do diretor-geral dos Estabelecimentos Escolares, "pela forma incompetente como tem atuado neste processo", e a abertura de um processo de inquérito por parte da Inspeção-Geral de Educação.

É essa mesma "situação dramática" que leva a que agora, no dia marcado para o arranque da greve, o pré-aviso se mantenha, mesmo depois de a Fenprof ter admitido levantá-lo quando começou a receber confirmações de que estaria em vias de resolução a situação de salários em atraso a estes docentes.

Em declarações à Lusa, o secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira, explicou que não há da parte do Ministério da Educação qualquer ação que justifique a manutenção da greve, uma vez que os pagamentos têm chegado às escolas, à medida que os procedimentos burocráticos vão permitindo desbloquear as verbas.

Segundo Mário Nogueira, que admitiu que a federação não tenciona fazer qualquer levantamento do impacte desta greve, a paralisação dos docentes do ensino artístico especializado apenas se mantém numa perspetiva de proteção aos docentes que, estando sem receber há vários meses, já não têm meios para pagar deslocações diárias de dezenas de quilómetros para chegarem às escolas onde dão aulas.

"O que queremos evitar é que estes professores venham a sofrer processos disciplinares por acumularem faltas injustificadas. A greve serve para, nestes casos, justificar a falta dos professores", disse à Lusa Mário Nogueira.

Ainda que muitas escolas já tenham recebido a transferência de verbas que permitem pagar ordenados em atraso, há outras em que a regularização pode demorar mais alguns dias, sendo estes os casos que preocupam a Fenprof, que pretende evitar que estes professores continuem a ter que se apresentar ao serviço sem receber os ordenados em falta.

Lusa

  • Passos elogia escolha de Paulo Macedo mas diz que não é suficiente
    1:47

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho diz que Paulo Macedo é competente para liderar os destinos da Caixa Geral de Depósitos, mas que a nomeação do antigo ministro não é suficiente para passar uma esponja sobre o assunto. Em Viseu, o líder do PSD não quis ainda avançar com um nome para a Câmara de Lisboa, depois de Santana Lopes afastar a hipótese de se candidatar.

  • O impacto e as consequências do referendo em Itália
    1:02
  • O novo coala do zoo de Lisboa
    3:10

    País

    A SIC acompanhou em exclusivo a transferência de uma coala da Alemanha para o Zoo de Lisboa. O animal veio de avião e foi batizado pelos passageiros que seguiam a bordo. Ficou com o nome de Goolara. O coala é uma fêmea, com quase dois anos, e veio para aumentar a família da mesma espécie em Portugal.

  • Jovens do exército russo aderem ao Desafio do Manequim
    1:01

    Mundo

    Na Rússia, o grupo de jovens do exército também já aderiu ao famoso Mannequin Challenge. O vídeo foi divulgado pelo Ministério da Defesa russo. O objetivo é mostrar o dia-a-dia do chamado exército de jovens, cuja principal missão passa por sensibilizar os russos para a necessidade de cumprir o serviço militar obrigatório.