sicnot

Perfil

País

Dezembro de 2015 foi o segundo mais quente dos últimos 84 anos em Portugal

O mês de dezembro de 2015 foi o segundo mais quente dos últimos 84 anos em Portugal, com a temperatura máxima a atingir o valor mais alto desde 1931, disse à agência Lusa a meteorologista Vanda Pires.

Reuters

"Em termos de temperatura média, dezembro de 2015 é o segundo mais quente desde 1931. Teve uma temperatura média de 11,8 graus, que é cerca de 1,8 acima do valor médio. A temperatura máxima foi a mais alta desde 1931 e teve um desvio em relação ao que é normal de mais dois graus", adiantou à Lusa Vanda Pires, do Departamento de Climatologia do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

A especialista destacou igualmente que a temperatura média em dezembro 2015 foi também a segunda mais alta desde 1931 (a mais alta foi registado em 1989).

"Em termos da precipitação, o mês de dezembro foi inferior ao normal. Foi o sexto mais seco desde 1931 e o quarto mais seco dos últimos 15 anos", disse à Lusa.

Segundo a meteorologista do IPMA, no mês de dezembro foram registados 599,6 milímetros de pluviosidade, quando o valor normal seria de 882 milímetros.

Vanda Pires justificou esta situação registada em dezembro de 2015 com a grande variabilidade do clima em Portugal.

"Temos uma grande variação entre anos muito secos e anos muito chuvosos. Por exemplo, em 2014 tivemos um valor de precipitação acima do normal. É uma situação que faz parte da variabilidade do nosso clima", explicou.

A especialista disse ainda que esta primeira semana de 2016 vai ser chuvosa.

"2016 chegou com chuva e vento forte, um cenário que vai manter-se nos próximos dias", concluiu.

  • Veio para Portugal para estar mais perto da natureza mas o fogo levou-lhe tudo
    4:59
  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão