sicnot

Perfil

País

Governo extingue Bolsa de Contratação de Escolas

O Ministério da Educação esclareceu hoje a agência Lusa que vai acabar no próximo ano letivo com a contestada Bolsa de Contratação de Escolas (BCE).

(Arquivo)

(Arquivo)

SIC

"O Ministério da Educação entende que este modelo claramente não funcionou", refere o ministério no esclarecimento, salientando que a "média de espera para contratação de um professor é de 21 dias".

No esclarecimento, o Ministério da Educação refere também que um modelo mais eficaz deverá ser encontrado em "sede negocial" para "valorizar a função docente".

Em reação à decisão anunciada, a Federação Nacional dos Professores (Fenprof) sublinhou, em comunicado, que o fim da BCE "deverá levar a que, finalmente, toda a contratação respeite regras transparentes e justas que só o concurso nacional, assente na graduação profissional, pode garantir".

A Fenprof relembra que sempre defendeu um "concurso único" e de "âmbito nacional" para a contratação de docentes e com base na sua graduação profissional.

A federação "aguarda agora o início das negociações, nas quais aproveitará para apresentar ao Ministério da Educação propostas de alteração relativas a outros aspetos do regime de concursos", refere.

A BCE começou a ser aplicada pela primeira vez em 2014 como forma de colocação de professores contratados nas escolas consideradas Territórios Educativos de Intervenção Prioritária (TEIP) e nas escolas com contrato de autonomia.

A dificuldade em confirmar a veracidade dos dados apresentados pelos professores, nas suas candidaturas, contribuiu para atrasar o processo de colocação.

O ministro da Educação, Nuno Crato, assumiu no parlamento, em setembro de 2014, que o processo de colocações de professores nas escolas pela primeira BCE tinha erros matemáticos na fórmula de cálculo das listas ordenadas, pelos quais pediu desculpa a pais, alunos, deputados e ao país.

Os erros acabariam por obrigar a anular este concurso, a refazer a lista e a corrigir colocações, que deixaram muitos professores, inicialmente colocados, sem um lugar nas escolas, e motivaram atrasos de meses na colocação de docentes, deixando milhares de alunos sem aulas a várias disciplinas.

Para o ano letivo de 2015/16, as candidaturas à Bolsa de Contratação de Escola (BCE) abriram em julho e os professores contratados candidataram-se a um lugar nas escolas consideradas de intervenção prioritária ou com contratos de autonomia.

Lusa

  • Lei existe há quatro anos mas não tem regulamentação
    2:03
  • Denúncia de maus tratos a cães no canil municipal de Elvas
    2:24

    País

    O Grupo de Intervenção e Resgate Animal denunciou nas redes sociais alegados maus tratos a animais no canil municipal de Elvas. As imagens mostram uma cadela com uma corda ao pescoço. A autarquia abriu um inquérito para averiguar o caso, suspendendo também o trabalho dos voluntários no canil.

  • Há cada vez menos portugueses

    País

    A população em Portugal diminuiu no ano passado, pelo oitavo ano consecutivo, já que o número de mortes continua a ser superior ao de nascimentos, revelam dados hoje divulgados pelo INE.

  • Dois em cada três portugueses vivem vidas sedentárias

    País

    Com menos de hora e meia de exercício semanal, mais de dois terços dos portugueses vivem vidas sedentárias. E a maioria desvaloriza a importância da atividade física, segundo um inquérito divulgado esta quinta-feira pela Fundação Portuguesa de Cardiologia.

  • Ovibeja aposta este ano na internacionalização da agricultura
    2:07

    País

    A Ovibeja começou esta quinta-feira e este ano aposta na internacionalização dos produtos agrícolas do Alentejo. Centenas de expositores esgotam o certame, que é uma monstra da agricultura portuguesa. António Costa, na sexta-feira, e Marcelo Rebelo de Sousa, no sábado, são alguns dos políticos com a presença marcada em Beja.

  • Le Pen vai à pesca
    0:35

    Eleições França 2017

    Marine Le Pen, candida à presidência de França fez esta quinta-feira uma "pausa" na campanha eleitoral e aproveitou para ir à pesca. A candidata navegou num barco de pesca no Mediterrâneo.

  • Primeira dama chinesa defende avanços na igualdade

    Mundo

    A primeira dama chinesa, Peng Liyuan, defendeu os avanços da China em matéria de igualdade dos géneros. Uma rara entrevista, difundida numa altura em que feministas chinesas asseguram serem controladas pela polícia face às suas campanhas.