sicnot

Perfil

País

Ministra manifesta "total abertura" para negociar com Liga dos Bombeiros

O presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP) disse hoje que a ministra da Administração Interna manifestou "total abertura" para se iniciarem negociações e se encontrarem soluções para os principais problemas do setor.

(Arquivo)

(Arquivo)

LU\303\215S FORRA

"Houve uma total abertura para a negociação e para se encontrar uma solução de muitos problemas que estão em cima da mesa", disse à agência Lusa o presidente da LBP, Jaime Marta Soares, após a primeira reunião com a ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa.

Jaime Marta Soares adiantou que a LBP levou à ministra um dossiê com as principais reivindicações dos bombeiros, tendo ficado marcada uma reunião com o secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes, para o dia 11 de janeiro para se dar início às negociações sobre as várias questões.

"A ministra disponibilizou para que, em conjunto, e a partir do próximo dia 11, possamos reunir com o secretário de Estado da Administração Interna para setorizar as várias propostas que estão em cima da mesa, trabalhá-las por setores e criar grupos de trabalho para dar andamento às questões mais prioritárias", afirmou.

Entre as principais reivindicações, segundo a LBP, está o aumento salarial aos bombeiros que integram o dispositivo de combate a incêndios florestais durante o verão.

Jaime Marta Soares disse que atualmente os bombeiros ganham, por 24 horas de serviço, 45 euros, e a LBP propõe que passem a ganhar 50 euros por 12 horas.

Incentivos ao voluntariado, como a criação do cartão social do bombeiro, e a sustentabilidade financeira das corporações dos bombeiros são outras das reivindicações.

Lusa

  • "Até para o ano", a mensagem de Ronaldo para os adeptos do Real Madrid
  • Despenalização da eutanásia votada na terça-feira no Parlamento
    2:04
  • Há companhias aéreas a contratar. TAP é uma delas
    1:28

    Economia

    Com o crescimento do turismo, que continua a bater recordes, as companhias aéreas querem profissionais para reforçar as rotas com maior procura e oferecer novos destinos. Só a TAP prevê contratar mais 700 pessoas este ano para várias funções, incluindo 300 tripulantes de cabine e 170 pilotos.

  • O bombeiro herói que recebe 267 euros de pensão
    2:36
  • Funcionários dos EUA na Coreia do Norte para preparar cimeira
    2:19