sicnot

Perfil

País

O ano de 2015 foi o segundo mais quente desde 2000 em Portugal

O ano passado foi o segundo mais quente dos últimos 15 anos, em Portugal, com a temperatura média do ar quase a chegar aos 16 graus, e ocupou o quarto lugar entre os mais secos, informou hoje o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

(Arquivo)

(Arquivo)

Segundo os dados divulgados pelo IMPA, o valor médio anual da temperatura do ar no ano de 2015 foi de 15,99 graus, "superior ao valor normal de 1971 a 2000, sendo o 7.º mais quente desde 1931 e o 2º desde 2000".

Quanto à chuva, no ano passado, o valor médio de precipitação total anual foi de 599,6 milímetros, valor "muito inferior ao normal, sendo o 6º mais seco desde 1931 e o 4º mais seco desde 2000", acrescenta.

Quando é analisada a temperatura do planeta, a Organização Meteorológica Mundial (OMM) refere que 2015 foi "provavelmente o ano mais quente desde que há registos".

Segundo a OMM, o valor médio da temperatura global, no ano de 2015, será o maior valor observado, podendo ser alcançado o icónico valor de mais um grau Celsius, em relação à era pré-industrial.

Este comportamento é justificado com "o efeito combinado de um excecional El Niño e o aquecimento global resultante de atividades antropogénicas", explica a OMM, citada pelo IPMA.

Na Europa, o ano de 2015 será o segundo mais quente, depois de 2014 ter sido o mais quente.

A subida da temperatura do planeta é apontada como a responsável pelo maior número de fenómenos extremos, como secas ou inundações, que têm atingido algumas regiões e podem vir a aumentar nos próximos anos.

Este foi o tema da conferência das Nações Unidas para o clima que decorreu no início de dezembro, em Paris, e que foi concluída com a obtenção de um acordo entre 195 países mais a União Europeia com vista à redução das emissões de gases com efeito de estufa para limitar a subida da temperatura.

O mês de dezembro do ano passado foi o segundo mais quente dos últimos 84 anos em Portugal, com a temperatura máxima a atingir o valor mais alto desde 1931, conforme tinha avançado à agência Lusa a meteorologista Vanda Pires.

"Em termos de temperatura média, dezembro de 2015 é o segundo mais quente desde 1931. Teve uma temperatura média de 11,8 graus, que é cerca de 1,8 acima do valor médio. A temperatura máxima foi a mais alta desde 1931 e teve um desvio em relação ao que é normal de mais dois graus", disse Vanda Pires, do Departamento de Climatologia do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

O valor médio da quantidade de precipitação de dezembro, de 75 milímetros de pluviosidade, foi inferior ao normal, de 144 milímetros, classificando-se o mês como seco, refere a informação do IPMA.

"Foi o sexto mais seco desde 1931 e o quarto mais seco dos últimos 15 anos", acrescentou a especialista.

Lusa

  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.