sicnot

Perfil

País

PJ investiga alegado envenenamento de um menor por mãe que depois se suicidou

A Polícia Judiciária na Madeira está a investigar um alegado envenenamento de um menor de 11 anos pela própria mãe que a seguir ter-se-á suicidado, disse à Lusa fonte daquela força policial.

Uma mulher de 53 anos, residente na Ponta do Sol, concelho a oeste do Funchal, terá envenenado com "um pesticida o filho e depois ter-se-á suicidado", explicou a mesma fonte.

Os indícios recolhidos até agora por aquela força policial indicam "a existência de uma carta da mãe, dirigida à família, justificando a morte de ambos", o que indicia um homicídio seguido de suicídio.

O alerta foi dado pelas 02:40 aos bombeiros da Ribeira Brava, por uma familiar que encontrou mãe e filho já mortos em casa.

"Nós fomos chamados pelas 02:40 para um local na Ponta do Sol e quando chegámos deparámo-nos com uma mãe e um filho já com rigidez cadavérica", explicou o comandante dos bombeiros da Ribeira Brava, Agostinho Silva.

Foram chamados ao local o delegado de saúde e a Polícia de Segurança Pública. O caso foi posteriormente entregue à jurisdição da PJ, que ainda se encontra no local a recolher indícios.

Lusa

  • Aeroporto Cristiano Ronaldo? Nem todos os madeirenses estão de acordo
    2:21
  • Fatura da água a dobrar
    2:26

    Economia

    Desde o início do ano que a população de Celorico de Basto está a receber duas faturas da água para pagar. Tanto a Câmara como a Águas do Norte reclamam o direito a cobrar pelo serviço. Contactada pela SIC, a Entidade Reguladora esclarece que o município não pode emitir faturas e tem de devolver o dinheiro.

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43

    Daesh

    Há suspeitas de que o Daesh tenha criado uma vala comum com cerca de seis mil corpos a sul de Mossul, no Iraque. A área em redor estará minada. A revelação é de uma equipa de reportagem da televisão britânica Sky News.

  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.