sicnot

Perfil

País

Exames do ensino básico tiveram impacto residual nos chumbos

Os exames no ensino básico tiveram um efeito residual nos chumbos a Português e Matemática ou até mesmo na descida das notas finais às disciplinas, indica um relatório técnico do Conselho Nacional de Educação (CNE) sobre avaliação das aprendizagens.

De acordo com o relatório técnico 'Avaliação das Aprendizagens dos Alunos do Ensino Básico', divulgado pelo CNE e que serve de suporte a um parecer que este órgão consultivo do Estado vai hoje apreciar em sessão plenária, a percentagem de alunos do 1.º, 2.º e 3.º ciclos que viu a sua classificação final descer em consequência das notas nos exames finais para níveis negativos foi no máximo de 2%.

O relatório, que dedica um capítulo a avaliar o peso dos resultados obtidos nos exames para a classificação final desde que estes foram introduzidos nos diferentes níveis do ensino básico, aponta que a quase totalidade dos alunos (regra geral, mais de 90%) que prestou provas manteve no exame as notas ao mesmo nível da sua avaliação interna.

"Assim, o impacto da avaliação externa na classificação final das disciplinas sujeitas a exame/prova final de ciclo, dos alunos internos do ensino básico, é residual e portanto mais residual será o impacto desta avaliação na conclusão de ciclo, uma vez que nem sempre a redução da classificação final, relativamente à classificação interna, resulta na retenção do aluno", conclui o CNE, tendo por base a análise feita a partir dos dados disponibilizados pelo Júri Nacional de Exames.

Ainda mais residual do que o efeito de descida de notas ou até de 'chumbo' às disciplinas avaliadas é o de subida das classificações finais devido aos resultados nas provas, sendo inferior a 1% o total de alunos que conseguiu melhorar a classificação interna com um bom resultado em exame.

Numa comparação de resultados dos exames e provas finais, com peso final para a classificação dos alunos, e as provas de aferição, sem peso nas notas, o CNE detetou no que diz respeito ao 2.º ciclo (6.º ano de escolaridade) um aumento de resultados negativos quando os exames passaram a contar para a nota, sobretudo a Matemática.

Numa comparação com os restantes países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), e tendo por base o último relatório dedicado à educação deste organismo internacional, o CNE refere que, dentro do grupo de países que integram a OCDE, Portugal é um dos únicos três onde se realizam exames nacionais com influência na classificação final dos alunos logo no 4.º ano de escolaridade (1.º ciclo).

Os Estados Unidos e a Bélgica (parte francófona) são os outros dois países onde o mesmo se passa, sendo que Portugal faz apenas dois exames, enquanto nos Estados Unidos e na Bélgica os alunos do 1.º ciclo prestam provas a três ou quatro disciplinas.

O CNE inquiriu ainda 25 escolas, selecionadas por amostragem, quanto aos benefícios e desvantagens da aplicação de exames no ensino básico, obtendo posições divididas quanto a esta matéria.

"Os defensores da prova final alegaram que a existência de impacto na avaliação final leva a um maior envolvimento e responsabilização por parte de alunos e pais. Os que preferem a prova de aferição, sem impacto na avaliação final do aluno, argumentam que esta deve ser usada como mecanismo de regulação do sistema que dê retorno às escolas, permitindo a reflexão e alteração das práticas", resume o relatório técnico.

O relatório técnico, e o parecer que dele vai decorrer, são a resposta do CNE a uma solicitação relativa às provas finais do 1.º ciclo do ensino básico apresentada pela comissão parlamentar de Educação e Ciência, tendo por base projetos de lei do Partido Comunista Português (PCP) e Bloco de Esquerda (BE).

O ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, anunciou na segunda-feira que ao longo desta semana vai ser apresentada à comunidade educativa uma "solução de avaliação integrada".

Lusa

  • Vários mortos em avalancha em Itália

    Mundo

    Várias pessoas morreram numa avalanche que atingiu um hotel numa estação de esqui na montanha de Gran Sasso, Itália, divulgaram os média locais citando as equipas de socorro. As autoridades italianas admitem a existência de cerca de 30 mortos.

    Em desenvolvimento

  • As alterações na carta de condução que ajudam a poupar
    6:16
  • Cadela sobrevive após engolir faca de cozinha

    Mundo

    Na Escócia, uma história de sobrevivência, no mínimo, bicuda. Uma cadela engoliu uma faca de cozinha com mais de 20 centímetros, manteve-a dentro de si durante algumas semanas mas sobreviveu, depois de ser operada de urgência..