sicnot

Perfil

País

Ministra da Justiça anuncia intenção de "revisitar" mapa judiciário

A ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, anunciou hoje a intenção de "revisitar" o mapa judiciario, sublinhando que o mapa foi feito de acordo com pressupostos e regras que "em alguns casos funcionaram, mas que noutros não funcionaram".

"É óbvio que o Ministério da Justiça neste momento vai envolver-se no mapa judiciário e vai revisitar o mapa judiciário", afirmou a ministra da Justiça na Assembleia da República, numa intervenção num debate de atualidade marcado pelo PSD.

Vincando que "quem fez o mapa tem de ter a consciência de que o mapa foi feito de acordo com determinados pressupostos e seguindo certas regras que em alguns casos funcionaram, mas que noutros não funcionam", Francisca Van Dunem recusou, contudo, qualquer intenção descontinuar o que "foi bem feito".

"O Ministério da Justiça não abjurará nada de bom que tenha sido feito por Governos anteriores, mas considera que tem condições e tem a obrigação de fazer mais e de ser melhor", frisou.

Na sua primeira intervenção no plenário da Assembleia da República desde que assumiu a pasta da Justiça, Francisca Van Dunem aproveitou ainda para assegurar que se deslocará ao parlamento sempre que for chamada àquele que "é o espaço ideal para os debates e para os consensos que a Justiça tanto precisa".

"Não me verão, em circunstância alguma, fazer declarações desgarradas no espaço público ou inundar o espaço público com declarações espúrias", garantiu, insistindo que o Governo não deixará de respeitar todos os compromissos assumidos pelo Estado português, nomeadamente na área da Justiça.

Em jeito de resposta às críticas ao seu silêncio que tinham sido deixadas pela oposição, Francisca Van Dunem lembrou que o programa do Governo para a área da Justiça é público e que está a ser executado há apenas um mês, reiterando que não deixarão de ser tidas em consideração as medidas tomadas por executivos anteriores.

Já no final do debate, e perante a insistência do PSD em que a ministra comentasse um relatório do FMI divulgado no final de dezembro com elogios a reformas implementadas no setor da Justiça pelo anterior Governo de maioria PSD/CDS-PP, Francisca Van Dunem recordou que foi convidada para integrar um Governo e para executar um programa.

"Não fui convidada, nem estou no Governo para fazer a avaliação do desempenho do executivo anterior", disse, admitindo que, após 36 anos de trabalho no setor, quer "intensamente" que os resultados sejam verdadeiros e corretos, "porque é ótimo, para bem da Justiça".

A ministra da Justiça advertiu, contudo, que o relatório citado pelo PSD é apenas um documento de trabalho do FMI onde é expressamente dito que se refere "a pesquisas em curso pelos autores" que "são publicadas para despertar comentários e para encorajar o debate".

No debate de atualidade, PSD e CDS-PP dividiram-se nos elogios às reformas implementadas pelo anterior Governo, com o deputado do PSD Carlos Abreu Amorim a falar numa "renovação intensa da Justiça".

PS, BE, PCP e PEV recusaram tal análise, lembrando a "trapalhada monumental na área da informatização", o "défice crónico" de funcionários judiciais e o "clima de conflitualidade inédito".

"A fúria demoníaca é o legado do Governo de direita", sublinhou José Manuel Pureza, do BE.

Lusa

  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espirito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espirito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Caso que está a gerar tensão entre Angola e Portugal chega a tribunal 2ª.feira
    1:32

    País

    O julgamento da Operação Fizz começa esta segunda feira numa altura em que o tribunal da Relação ainda não decidiu se aceita o pedido de Luanda para que Manuel Vicente seja julgado em Angola. O Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa foi arrolado pelo tribunal como testemunha e já respondeu por escrito. O processo será julgado no tribunal da comarca de Lisboa pelo coletivo de juízes formado por Alfredo Costa, Helena Pinto e Ana Guerreiro da Silva, estando o Ministério Público representado pelo procurador José Góis.

  • Mais de 60% dos jovens não usam preservativo
    1:42
  • Dissonâncias entre EUA e Europa "podem ser ultrapassadas"
    1:04

    Mundo

    O ministro dos Negócios Estrangeiros reconhece que há sinais manifestos de dissonância na política externa da Europa e dos Estados Unidos da América. No dia em que Donald Trump completa um ano na Casa Branca, Augusto Santos Silva diz que acredita, no entanto, que essas divergências podem ser ultrapassadas.

  • Há mais um suspeito do massacre de Las Vegas 
    0:27

    Mundo

    Em outubro passado, Stephen Paddock abriu fogo sobre os espetadores de um concerto de música country, em Las Vegas, matando 58 pessoas e ferindo quase 500, no mais sangrento tiroteio da história norte-americana recente. A novidade é que a polícia federal dos EUA abriu uma investigação sobre um segundo suspeito no tiroteio. A Polícia Metropolitana disse que não há ainda um motivo para o tiroteio mas aponta como uma das possíveis razões o facto de Stephen Paddock ter perdido uma grande quantia de dinheiro. Os investigadores descobriram ainda que o atirador possuía pornografia infantil no seu computador.