sicnot

Perfil

País

Relatório sobre base militar das Lajes está "no bom caminho"

Um ano depois de os Estados Unidos anunciarem uma redução militar na base das Lajes, o Congresso e o Departamento de Defesa preparam relatórios que vão decidir o futuro da base, e o do Pentágono está "no bom caminho".

(SIC/Arquivo)

(SIC/Arquivo)

Segundo disse à Lusa o porta-voz do Pentágono, Eric Badger, o primeiro relatório a ser conhecido será o do Departamento de Defesa, exigido pela lei de Orçamento das Forças, que deverá incluir uma avaliação das valências da base e da sua capacidade de receber um centro de informações e que tem de estar pronto até dia 01 de março.

"O Departamento pretende responder a todas as solicitações e está no bom caminho para cumprir os prazos de entrega. Não vamos fazer comentários antes das avaliações estarem completas", disse à Lusa o porta-voz do Pentágono.

Em junho do ano passado, a Lusa noticiou uma série de iniciativas legislativas da Câmara dos Representantes que suspendem a construção do complexo no Reino Unido até ser provado que as Lajes não podem cumprir essa função.

No orçamento militar dos EUA, ficou estabelecido que "nenhum montante deve ser utilizado na construção do Centro de Análise Conjunta de Informações, na Base Aérea de Croughton, no Reino Unido, conforme secção 2301(b), até a Secretaria de Defesa certificar os comités de defesa da Câmara que determinou, com base numa análise dos requisitos operacionais, que esta localização permanece a localização ótima."

Sobre as Lajes, o documento diz ainda que o relatório deve incluir uma explicação para os fundamentos da decisão, bem como uma avaliação das capacidades das Lajes para acolher treinos de pilotos de caça e a presença rotativa de forças navais.

O segundo relatório está a ser elaborado pela Câmara dos Representantes e investiga a manipulação de estudos que justificam a construção deste centro de informações em Inglaterra.

"Não há um prazo definido para a sua conclusão. Neste momento é difícil dizer quando tempo pode demorar", disse à Lusa uma fonte do Comité de Supervisão, que está a liderar a investigação.

A mesma fonte disse ainda que, "apesar de não existirem para já conclusões para ser partilhadas", a investigação foi alargada e "inclui agora vários outros comités" do Congresso dos EUA.

O porta-voz do Pentágono garantiu à Lusa que o compromisso dos EUA para com a região vai além destes relatórios e que autoridades dos dois países estão a tentar chegar a uma solução que sirva a ambos.

"Além destas certificações, o Departamento de Defesa está a trabalhar com os seus congéneres portugueses em formas que expandam a nossa relação bilateral", disse Eric Badger.

A 08 de janeiro de 2015, o secretário da Defesa dos Estados Unidos, Chuck Hagel, anunciou uma redução de 500 militares na base das Lajes, na ilha Terceira, Açores.

Atualmente, ainda devem estar colocados na base das Lajes quase 400 militares norte-americanos, que até setembro de 2016 serão reduzidos para 165.

Lusa

  • Morreu Miguel Beleza, antigo ministro das Finanças e governador do BdP
    1:34
  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.