sicnot

Perfil

País

Relatório sobre base militar das Lajes está "no bom caminho"

Um ano depois de os Estados Unidos anunciarem uma redução militar na base das Lajes, o Congresso e o Departamento de Defesa preparam relatórios que vão decidir o futuro da base, e o do Pentágono está "no bom caminho".

(SIC/Arquivo)

(SIC/Arquivo)

Segundo disse à Lusa o porta-voz do Pentágono, Eric Badger, o primeiro relatório a ser conhecido será o do Departamento de Defesa, exigido pela lei de Orçamento das Forças, que deverá incluir uma avaliação das valências da base e da sua capacidade de receber um centro de informações e que tem de estar pronto até dia 01 de março.

"O Departamento pretende responder a todas as solicitações e está no bom caminho para cumprir os prazos de entrega. Não vamos fazer comentários antes das avaliações estarem completas", disse à Lusa o porta-voz do Pentágono.

Em junho do ano passado, a Lusa noticiou uma série de iniciativas legislativas da Câmara dos Representantes que suspendem a construção do complexo no Reino Unido até ser provado que as Lajes não podem cumprir essa função.

No orçamento militar dos EUA, ficou estabelecido que "nenhum montante deve ser utilizado na construção do Centro de Análise Conjunta de Informações, na Base Aérea de Croughton, no Reino Unido, conforme secção 2301(b), até a Secretaria de Defesa certificar os comités de defesa da Câmara que determinou, com base numa análise dos requisitos operacionais, que esta localização permanece a localização ótima."

Sobre as Lajes, o documento diz ainda que o relatório deve incluir uma explicação para os fundamentos da decisão, bem como uma avaliação das capacidades das Lajes para acolher treinos de pilotos de caça e a presença rotativa de forças navais.

O segundo relatório está a ser elaborado pela Câmara dos Representantes e investiga a manipulação de estudos que justificam a construção deste centro de informações em Inglaterra.

"Não há um prazo definido para a sua conclusão. Neste momento é difícil dizer quando tempo pode demorar", disse à Lusa uma fonte do Comité de Supervisão, que está a liderar a investigação.

A mesma fonte disse ainda que, "apesar de não existirem para já conclusões para ser partilhadas", a investigação foi alargada e "inclui agora vários outros comités" do Congresso dos EUA.

O porta-voz do Pentágono garantiu à Lusa que o compromisso dos EUA para com a região vai além destes relatórios e que autoridades dos dois países estão a tentar chegar a uma solução que sirva a ambos.

"Além destas certificações, o Departamento de Defesa está a trabalhar com os seus congéneres portugueses em formas que expandam a nossa relação bilateral", disse Eric Badger.

A 08 de janeiro de 2015, o secretário da Defesa dos Estados Unidos, Chuck Hagel, anunciou uma redução de 500 militares na base das Lajes, na ilha Terceira, Açores.

Atualmente, ainda devem estar colocados na base das Lajes quase 400 militares norte-americanos, que até setembro de 2016 serão reduzidos para 165.

Lusa

  • Trump desafia Oprah a candidatar-se para ser "derrotada como todos os outros"

    Mundo

    Apesar de Oprah Winfrey ter excluído uma eventual candidatura às eleições presidenciais dos Estados Unidos da América, Donald Trump ainda não se esqueceu dos rumores e desafiou a apresentadora a candidatar-se em 2020. Através do Twitter, o Presidente norte-americano disse ainda que assim poderia ser "exposta e derrotada como todos os outros".

    SIC

  • Mulher enterrada viva no Brasil
    1:13

    Mundo

    Uma mulher de 37 anos terá sido enterrada viva no oeste da Bahia, no Brasil. A certidão de óbito aponta um choque séptico como a causa da morte, mas os ferimentos com que foi encontrada no interior do caixão indicam um possível erro. Os moradores de casas vizinhas do cemitério municipal onde Rosângela dos Santos foi enterrada ouviram gritos vindos do túmulo.

  • António Guterres, "o governante mais amado desde sempre em democracia"
    2:27

    País

    António Guterres foi distinguido com o grau de honoris causa pela Universidade de Lisboa. A cerimónia decorreu esta manhã e contou com a presença do Presidente da República e do primeiro-ministro. Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou que Guterres foi o governante mais amado da democracia portuguesa.