sicnot

Perfil

País

Marcelo e Maria de Belém trocam acusações de malícia e incoerência

Os candidatos presidenciais Marcelo Rebelo de Sousa e Maria de Belém Roseira trocaram hoje acusações de malícia e incoerência, num debate com sucessivas críticas pessoais em que recorreram a episódios das décadas de 80 e 90.

JOS\303\211 SENA GOUL\303\203O

Neste frente a frente, na RTP1, Marcelo Rebelo de Sousa confrontou Maria de Belém com a falta de apoio do PS e o silêncio de António Costa sobre a sua candidatura, o que a socialista considerou "perfeitamente normal", rejeitando que esteja a dividir o seu partido.

Por sua vez, a antiga ministra da Saúde procurou demonstrar que o social-democrata não é fiável e referiu que este em tempos chamou "lelé da cuca" ao fundador do PSD Francisco Pinto Balsemão, quando este era primeiro-ministro.

"Isso é mentira", reagiu o antigo presidente do PSD. Marcelo contrapôs que se tratou de um "texto humorístico" de 1978 e salientou que Balsemão esteve na chefia do Governo mais tarde, entre 1981 e 1983: "Só para ver como mente em termos de datas. É assim: mente sistematicamente, fingindo que não mente", acusou.

"Chamou ou não chamou? É por isso que Balsemão está zangado consigo e que não confia em si", atirou Maria de Belém. "Não, não está zangado", contestou Marcelo.

Neste debate moderado pelo jornalista João Adelino Faria, a ex-presidente do PS começou logo ao ataque, afirmando que prefere ter o seu adversário como comentador do que como Presidente e invocando a expressão "catavento político" utilizada pelo presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, para o acusar de ser contraditório.

Se Belém citou Passos, Marcelo recorreu ao eurodeputado do PCP João Ferreira para definir a sua oponente como "uma pessoa ziguezagueante, com duas caras, que por um lado faz um discurso de esquerda, por outro lado tenta charmar à direita".

Depois, queixou-se de esta o ter qualificado de "hiperativo", como se fosse "uma psicóloga", e questionou qual a relevância de falar no número de horas que dorme. "Não fiz mais do que repetir o que de si dizem", respondeu a socialista.

Maria de Belém acusou também o social-democrata de ter apoiado um projeto de revisão constitucional para "distorcer" o Serviço Nacional de Saúde em 1982 - um tema lançado por Sampaio da Nóvoa na quinta-feira - e de "aproveitamento" político por ter visitado o Hospital de São José, em Lisboa, após um caso de morte naquela unidade de saúde.

Sobre este último caso, o professor universitário de direito afirmou que falou com o ministro da Saúde, Adalberto Fernandes, antes e depois dessa visita e que terá um comportamento semelhante se for chefe de Estado.

O ex-comentador televisivo procurou apresentar-se como um referencial de estabilidade, dando como exemplo a viabilização de três orçamentos quando liderava o PSD na oposição e o PS estava no Governo nos anos 90. Graças a isso, "pôde ser ministra da Saúde, pôde ser ministra da Igualdade", disse para Maria de Belém.

A meio da discussão, Marcelo acusou a sua concorrente de ser "muito hábil em tentar com alguma malícia dar a volta à situação".

Em resposta, ouviu: "Não, eu não sou maliciosa. Aliás, é muito risível que diga que eu sou maliciosa. Se há pessoa maliciosa, vou aqui já venho. Não se lembra do que chamou ao doutor Francisco Pinto Balsemão num Governo a que pertencia juntamente com ele?"

O antigo presidente do PSD criticou também Maria de Belém por ter anunciado a sua candidatura quando o secretário-geral do PS estava a dar uma entrevista, observando: "E diz que eu crio factos políticos e que não intriga".

A socialista desvalorizou o momento desse anúncio, alegando que tinha previamente informado António Costa, e contra-atacou sugerindo que Marcelo não quer o presidente do PSD na sua campanha, o que este considerou uma intriga.

"Tem feito a campanha toda a tentar à direita o que lhe falta à esquerda", sustentou o social-democrata.

"Realmente, intriguista eu nunca fui. E se perguntar aos portugueses quem é o campeão nessa matéria, eu não sou", replicou a antiga ministra da Saúde.

Lusa

  • Pecado da gula ameaça maior anfíbio do mundo

    Mundo

    O maior anfíbio do mundo está em sério risco de extinção. Iguaria muito apreciada no Oriente, a salamandra-gigante-da-China já praticamente desapareceu do seu habitat natural, concluiu uma pesquisa realizada durante quatro anos. Em contraste, milhões destes animais são reproduzidos em cativeiro e têm como destino restaurantes de luxo.

  • Reclusos limpam Ria Formosa
    3:01

    País

    Alguns reclusos do estabelecimento prisional de Olhão estão pela segunda vez a limpar a ilha da Armona, na Ria Formosa. São homens que beneficiam de regime aberto e, em fim de cumprimento de pena, têm com este trabalho uma amostra da liberdade que tanto aguardam.

  • Lembra-se dos olharapos da Expo'98? Estão de volta
    1:46