sicnot

Perfil

País

Dois helicópteros Kamov vão ser reparados para que possam voar no próximo verão

O secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes, disse hoje que os dois helicópteros Kamov inoperacionais vão ser reparados "com a máxima urgência" para que possam integrar o dispositivo de combate a incêndios florestais do próximo verão.

"Neste momento, o que estamos a tratar de fazer e no imediato, é a recuperação dos dois helicópteros que estão inoperacionais para tentar que estejam prontos para a fase mais crítica dos incêndios de verão" disse à agência Lusa Jorge Gomes, que hoje realizou a primeira visita de trabalho à Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC).

Dos seis helicópteros Kamov da frota do Estado, apenas três estão aptos para voar, estando dois inoperacionais e outro acidentada desde 2012 que se despenhou durante um combate a um incêndio.

Sobre este Kamov, o secretário de Estado afirmou que "ainda está tudo a ser repensado para ver qual o destino final" deste helicóptero pesado que se encontra "quase destruído".

Jorge Gomes adiantou que, neste momento, vão ser reparados "com a máxima urgência" os dois helicópteros inoperacionais que já não fizeram parte do dispositivo de combate a incêndios de 2015.

Segundo o secretário de Estado, a reparação destes dois helicópteros pesados vai custar cerca de sete milhões de euros.

Para Jorge Gomes, não se pode ter inoperacionais dois equipamentos que "são de grande capacidade, grande porte e importantíssimos para o combate aos incêndios".

O secretário de Estado que tutela a proteção civil realizou hoje a sua primeira reunião de trabalho na ANPC, tendo sido feito o agendamento de algumas tarefas futuras, como a preparação do Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Florestais (DECIF) para este ano.

Na quinta-feira, Jorge Gomes realiza também a primeira visita à Escola Nacional de Bombeiros, em Sintra.

Lusa

  • TAP recruta mais assistentes de bordo
    2:40

    Economia

    A TAP assegura que, até ao final de outubro, os problemas com falta de tripulação vão terminar. Até ao final do ano vão ser contratados novos assistentes de bordo, mas o sindicato diz que não chega.