sicnot

Perfil

País

Ministério está a rever mapa de escolas com amianto para avançar com obras

O Ministério da Educação vai rever o mapa das escolas sinalizadas com amianto e reiniciar o processo de remoção das placas de fibrocimento em escolas nunca intervencionadas mas também em algumas que foram alvo de obras parciais.

(Arquivo SIC)

(Arquivo SIC)

O anúncio foi feito hoje no parlamento pelo ministro da Educação, Tiago Brandão, em resposta a uma questão do deputado do Bloco de Esquerda, Luís Monteiro, que quis saber se "o Ministério da Educação tem algum plano ou intenção de resolver o problema com alguma urgência".

"O amianto é uma preocupação séria do Ministério da Educação e está a ser revisto o mapeamento das escolas com edifícios que estão revestidos ou cobertos com placas de fibrocimento", afirmou Tiago Brandão durante a audição na comissão parlamentar de Educação.

O ministro quer "sinalizar os casos em que já foi parcialmente removido e sinalizar os que padecem de intervenções urgentes e priorizar" para depois começar a atuar: "Iremos avançar com um número de intervenções a cada ano, de acordo com a lista de prioridades".

Para Tiago Brandão "é importante conseguir obter uma catalogação do grau de prioridade das intervenções necessárias", um trabalho que diz já estar a ser desenvolvido pelos serviços ministeriais.

Em janeiro do ano passado, a anterior equipa do Ministério da Educação deu por concluído o programa de remoção de placas de fibrocimento em mau estado de conservação em cerca de 300 estabelecimentos de ensino dos 2.º e 3.º ciclos do ensino básico e do secundário.

Tiago Brandão disse hoje que o "processo tinha sido interrompido".

Segundo o deputado bloquista, Luís Monteiro, "só no norte do país existem ainda 233 escolas com telhados de amianto" e todos os anos morrem em Portugal 36 pessoas vítimas deste problema.

Já na semana passada, o ministro tinha anunciado o desejo de resolver este problema, garantindo existir verbas disponíveis.

O amianto foi um dos temas da audição ao ministro da Educação, mas foi em torno das medidas anunciadas pela nova equipa da educação que a audição se centrou.

A audição foi marcada pelas intervenções dos grupos parlamentos do PSD e do CDS-PP a acusar Tiago Brandão de "ímpeto radical", ao acabar com os exames nacionais do 4.º e 6.º ano e introduzir provas de aferição, e o ministro a responder dizendo que está apenas a "repor a normalidade" que existia antes da entrada em funções do executivo de Nuno Crato.

Lusa

  • O resgate dos passageiros do naufrágio em Cascais
    1:48
  • É importante que "as pessoas não tenham medo" de denunciar o tráfico humano
    0:48

    País

    Manuel Albano, relator nacional para o tráfico de pessoas, concorda com a ideia de que é necessário continuar a investir na inspeção e na fiscalização para travar o tráfico de seres humanos, mas rejeita a denúncia do sindicato dos trabalhadores do SEF, que esta quinta-feira alertou para a "falta de controlo".

  • Trocar a economia pela dança
    7:21
  • Salas de consumo assistido previstas na lei há 17 anos
    3:01
  • O que faz um guaxinim às duas da manhã num quartel de bombeiros?

    Mundo

    Os animais são muitas vezes os protagonistas de histórias incríveis ou até insólitas. Desde o cão mais pequeno ao urso mais assustador. Desta vez, o principal interveniente é um guaxinim, que foi levado até um quartel de bombeiros por uma dona muito preocupada. Porquê? O animal estava sob o efeito de drogas.

    SIC

  • "Por vezes até as princesas da Disney ficam apavoradas"

    Mundo

    A atriz norte-americana Patti Murin foi esta semana elogiada nas redes sociais por se preocupar com a sua saúde mental e não ter problemas em falar sobre o assunto. A artista faltou a um espetáculo da Disney, onde ia atuar, devido a um ataque de ansiedade.

    SIC

  • Presidente do Uganda quer proibir sexo oral

    Mundo

    O Presidente do Uganda emitiu um aviso público durante um conferência de imprensa anunciando que vai banir a prática de sexo oral no país. Yoweri Museveni justifica o ato, explicando que "a boca serve para comer".

    SIC