sicnot

Perfil

País

Ministério está a rever mapa de escolas com amianto para avançar com obras

O Ministério da Educação vai rever o mapa das escolas sinalizadas com amianto e reiniciar o processo de remoção das placas de fibrocimento em escolas nunca intervencionadas mas também em algumas que foram alvo de obras parciais.

(Arquivo SIC)

(Arquivo SIC)

O anúncio foi feito hoje no parlamento pelo ministro da Educação, Tiago Brandão, em resposta a uma questão do deputado do Bloco de Esquerda, Luís Monteiro, que quis saber se "o Ministério da Educação tem algum plano ou intenção de resolver o problema com alguma urgência".

"O amianto é uma preocupação séria do Ministério da Educação e está a ser revisto o mapeamento das escolas com edifícios que estão revestidos ou cobertos com placas de fibrocimento", afirmou Tiago Brandão durante a audição na comissão parlamentar de Educação.

O ministro quer "sinalizar os casos em que já foi parcialmente removido e sinalizar os que padecem de intervenções urgentes e priorizar" para depois começar a atuar: "Iremos avançar com um número de intervenções a cada ano, de acordo com a lista de prioridades".

Para Tiago Brandão "é importante conseguir obter uma catalogação do grau de prioridade das intervenções necessárias", um trabalho que diz já estar a ser desenvolvido pelos serviços ministeriais.

Em janeiro do ano passado, a anterior equipa do Ministério da Educação deu por concluído o programa de remoção de placas de fibrocimento em mau estado de conservação em cerca de 300 estabelecimentos de ensino dos 2.º e 3.º ciclos do ensino básico e do secundário.

Tiago Brandão disse hoje que o "processo tinha sido interrompido".

Segundo o deputado bloquista, Luís Monteiro, "só no norte do país existem ainda 233 escolas com telhados de amianto" e todos os anos morrem em Portugal 36 pessoas vítimas deste problema.

Já na semana passada, o ministro tinha anunciado o desejo de resolver este problema, garantindo existir verbas disponíveis.

O amianto foi um dos temas da audição ao ministro da Educação, mas foi em torno das medidas anunciadas pela nova equipa da educação que a audição se centrou.

A audição foi marcada pelas intervenções dos grupos parlamentos do PSD e do CDS-PP a acusar Tiago Brandão de "ímpeto radical", ao acabar com os exames nacionais do 4.º e 6.º ano e introduzir provas de aferição, e o ministro a responder dizendo que está apenas a "repor a normalidade" que existia antes da entrada em funções do executivo de Nuno Crato.

Lusa

  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.