sicnot

Perfil

País

Portugueses são a sétima nacionalidade mais representada na população de Bruxelas

Um em cada três habitantes em Bruxelas tem nacionalidade estrangeira e os portugueses são a 7.ª nacionalidade mais representada, segundo estatísticas publicadas pelas autoridades locais no relatório "Bruxelles-Europe en chiffres 2016" (Bruxelas-Europa em números).

© Rafael Marchante / Reuters

Esta publicação do Turismo de Bruxelas, Comissão para a Europa e Organizações Internacionais de Bruxelas e Centro Cosmopolis de Investigação Urbana informou que a nacionalidade mais representada na capital belga é a francesa, seguindo-se a marroquina, romena, italiana, espanhola, polaca, portuguesa, búlgara, alemã e da República Democrática do Congo.

Os números mostram que a 01 de janeiro de 2015 havia 19.609 portugueses registados, o maior número desde 2000 quando havia 15.802.

Na estatística geral da Bélgica, os portugueses são a 8.ª nacionalidade mais representada (42.793), depois de França, Itália, Holanda, Marrocos, Polónia, Roménia e Espanha. Em 9.ºe 10.º lugar, respetivamente, estão Alemanha e Turquia.

Na região flamenga do país, a Flandres, a lista é encabeçada pelos holandeses, estando os portugueses em 10º lugar, com 13.245 pessoas, enquanto na Valónia (zona francófona da Bélgica), os italianos são os mais representados, estando Portugal no 7º lugar do 'ranking', com 9.939 pessoas.

A presença de inúmeras nacionalidades faz de Bruxelas ser a segunda cidade europeia, depois de Londres, no uso de maior número de línguas. Na capital belga há 104 línguas.

Já o estatuto de capital europeia, ao albergar 20 organizações da União Europeia e 42 organizações intergovernamentais, fez surgir em Bruxelas, em arredores, 29 escolas internacionais para 22.772 alunos.

Esta presença internacional gera 121 mil trabalhos: 81 mil diretamente e 40 mil indiretamente, traduzindo um valor acrescentando de cinco mil milhões de euros em 2013 à economia da região, que tem o terceiro mais elevado PIB per capita entre as 306 regiões europeias.

Porém, nesta região um em cada três habitantes vive abaixo da linha de pobreza, com o relatório a indicar que 22,2% de adultos vive em agregados sem rendimentos de trabalho, enquanto essa taxa aplicada a crianças é de 25,7%. A taxa de emprego em Bruxelas é de 54,3%.

Lusa

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.