sicnot

Perfil

País

2ª Circular deve ter Estudo de Impacte Ambiental e opinião do setor da aviação

O organismo que investiga e previne os acidentes aéreos recomenda a realização de um Estudo de Impacto Ambiental e a auscultação das entidades aeronáuticas no âmbito do projeto que a Câmara de Lisboa tem para a Segunda Circular.

A ideia da autarquia de Lisboa é fazer da Segunda Circular um corredor arborizado como se vê na imagem

A ideia da autarquia de Lisboa é fazer da Segunda Circular um corredor arborizado como se vê na imagem

As recomendações estão num relatório técnico do Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves (GPIAA), a que a agência Lusa teve hoje acesso, e surgem na sequência das preocupações desta entidade quanto aos impactos na segurança aérea que poderá vir a ter o previsível aumento de aves perto do Aeroporto de Lisboa, com a plantação de mais de 8.000 árvores na zona envolvente e no separador central da Segunda Circular.

"Recomenda-se que seja efetuado um Estudo de Impacto Ambiental, com a participação da SPEA -- Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves", atendendo "à possibilidade de fixação e/ou local de passagem de aves migratórias, nas zonas a arborizar, nos oito quilómetros de extensão do projeto, especialmente nas zonas que estejam dentro da área de segurança aeronáutica do aeroporto", sublinha o documento.

O GPIAA defende que no Estudo de Impacto Ambiental devem ser identificadas as Áreas de Segurança Aeronáutica (ASA) recomendadas pela Organização Internacional da Aviação Civil, inserindo-se os focos atrativos para a avifauna, sobretudo os que possam exercer maior influência no número de colisões do aeroporto.

Esta entidade pública indica ainda outra recomendação à autarquia: "Seria importante, antes da aprovação do projeto da Câmara, uma monitorização específica realizada por equipas interdisciplinares experientes, nomeadamente de ornitólogos, entomólogos e botânicos, às zonas onde serão semeadas/plantadas as espécies consideradas não atrativas [de aves] no projeto", salienta o relatório.

A informação técnica do GPIAA, entregue esta semana ao gabinete do secretário de Estado das Infraestruturas, à Autoridade Nacional de Aviação Civil (ANAC) e ao município, acrescenta que, "para uma melhor avaliação do projeto" da maioria socialista, se deve auscultar a ANAC, regulador do setor, no sentido de identificar os interlocutores para o desenvolvimento deste processo.

Nessa linha, o GPIAA entende que deve haver a intervenção e o apoio do Ministério do Ambiente e da Secretaria de Estado das Infraestruturas, para garantir as regras de segurança de voo.

O GPIAA avisa que só será possível decidir "em consciência" sobre a execução do plano da autarquia "se, efetivamente, estiverem garantidas as condicionantes de segurança aeronáutica nos cones de aproximação das pistas 21 e 35 e nas superfícies de descolagem das pistas 03 e 17, e toda a sua área envolvente".

Este organismo sublinha que a vantagem competitiva de Lisboa ter um aeroporto nas imediações da cidade obriga a que "as entidades da indústria aeronáutica e todas as restantes entidades responsáveis do desenvolvimento da cidade se preocupem em avaliar os impactos que esse benefício sofrerá, quando se tem previsto alterações estruturais que poderão pôr em causa a sua sustentabilidade quanto à segurança operacional das aeronaves".

O gabinete assegura estar "disponível" para prestar todo o apoio neste processo.

O projeto para a Segunda Circular vai estar em consulta pública até 29 de janeiro e visa diminuir o tráfego de atravessamento através da reformulação de alguns acessos e dos nós de acesso ao IC19 (itinerário complementar) e à A1 (autoestrada), encaminhando o trânsito para a CRIL (Circular Regional Interior de Lisboa).

Prevê-se também a redução da largura das vias, a montagem de barreiras acústicas, a reabilitação da drenagem e do piso, a renovação da iluminação pública e da sinalética e a diminuição da velocidade, de 80 para 60 quilómetros/hora.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.