sicnot

Perfil

País

PSD abre debate quinzenal com o primeiro-ministro

O PSD abre na sexta-feira o segundo debate quinzenal com o primeiro-ministro, António Costa, no parlamento com questões "políticas, económicas e sociais", temas comuns a todas as bancadas.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Rafael Marchante / Reuters (Arquivo)

A seguir ao PSD, pela ordem prevista, intervirão o PS, BE, CDS-PP, PCP, PEV e PAN. No primeiro debate quinzenal da legislatura, dia 16 de dezembro, o primeiro-ministro, António Costa, prometeu uma "reflexão séria" sobre o "desenho institucional" do Banco de Portugal.

Os problemas do Banif, que vai ser alvo de uma comissão de inquérito, estiveram no centro do primeiro debate quinzenal, com o primeiro-ministro a assegurar que o Governo faria tudo para limitar as perdas dos contribuintes.

A reposição de rendimentos com o intuito de "reverter a asfixia fiscal sobre a classe média" foi o tema levado pelo primeiro-ministro, que anunciou a revogação dos cortes nas pensões e nos salários dos funcionários públicos.

Nas últimas duas semanas, causou polémica o anúncio do fim dos exames nacionais do 4.º e do 6.ºanos de escolaridade, com o PSD e o CDS-PP numa audição que foi marcada pelas intervenções dos grupos parlamentos do PSD e do CDS-PP a acusarem o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, de "ímpeto radical".

Outra medida contestada pela oposição PSD e CDS-PP foi a reposição das 35 horas de trabalho semanais na função pública, que será aprovada à esquerda também na sexta-feira.

Lusa

  • Manuel Delgado demitiu-se devido a "grave violação da privacidade"

    País

    O ex-secretário de Estado da Saúde diz que apresentou a demissão para "não perturbar nem criar qualquer tipo de embaraço ao normal funcionamento do Governo". Num comunicado, Manuel Delgado esclarece que foi remunerado pelo trabalho de consultor na Raríssimas "muito antes" da entrada no Governo e acrescenta que respeitou na íntegra todo o quadro legal e ético.

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Tripulantes da TAP acusam companhia de desrespeitar compromissos
    3:16

    Economia

    O Sindicato que representa os tripulantes da TAP acusa a empresa de estar a violar a lei. A companhia aérea portuguesa denunciou unilateralmente o acordo de empresa com os tripulantes e apresentou novas condições, que o sindicato considera indignas. Diz que os tripulantes fizeram esforços pela companhia no verão e que agora estão a ser desrespeitados.

  • Uma "Árvore da Esperança" pelas vítimas dos fogos
    2:01
  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06
  • Zapatou volta a eleger os melhores vídeos da internet
    6:28