sicnot

Perfil

País

Furação "Alex" a 560 quilómetros a sul do Faial

O furacão 'Alex' estava a 560 quilómetros a sul do Faial, Açores, às 20:00 locais desta quinta-feira (mais uma hora em Lisboa) e a deslocar-se a uma velocidade de 37 quilómetros/hora, informou a meteorologista Vanda Costa.

SIC

"Às 20:00 locais, o furacão estava a 560 quilómetros a sul do Faial, mantendo a mesma direção norte-nordeste, a uma velocidade de 37 kms/hora, prevendo-se que os efeitos comecem a ser sentidos a partir das 23:00 (hora local) nos grupos central e oriental do arquipélago", adiantou à agência Lusa Vanda Costa, da delegação regional dos Açores do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

O grupo central é constituído pelas ilhas da Graciosa, Terceira, Faial, Pico e São Jorge, fazendo parte do grupo oriental São Miguel e Santa Maria.

Segundo a meteorologista, "durante a manhã de sexta-feira, o centro do furacão vai passar sobre as ilhas do grupo central, mas não é possível prever qual a ilha que será mais afetada, dado que, como todas as previsões, há sempre um grau de incerteza sobre a sua direção".

"Apesar de haver uma concordância de que a direção do furacão é norte-nordeste, pode haver ligeira mudança", explicou Vanda Costa.

Estes dois grupos do arquipélago dos Açores estão sob aviso vermelho, tendo o IPMA estendido às 22:00 locais este aviso para agitação marítima no grupo oriental.

Segundo o IPMA, o aviso vermelho corresponde a uma situação meteorológica de risco extremo.

O aviso para agitação marítima vigora entre as 05:00 e as 14:00 (mais uma hora em Lisboa) de sexta-feira, com ondas que podem ultrapassar os nove metros, o mesmo sucedendo para o vento, cuja rajada máxima pode atingir os 130 km/hora.

Já a precipitação para estas duas ilhas vigora entre as 02: e as 14:00 de sexta-feira.

Além deste grupo, também as cinco ilhas do grupo central do arquipélago foram colocadas sob aviso vermelho para chuva, agitação marítima e vento, ao longo da madrugada até ao início da tarde de sexta-feira.

Nestas cinco ilhas, as ondas podem chegar aos 18 metros e as rajadas de vento aos 170 km/hora.

O furacão 'Alex' é o primeiro fenómeno meteorológico desta natureza a acontecer no mês de janeiro em quase 80 anos, de acordo com meteorologistas norte-americanos.

Segundo o Centro Nacional de Furacões (NHC, na sigla em inglês), é a primeira vez que um furacão se forma em janeiro no oceano Atlântico desde 1938.

O instituto norte-americano alertou para a grande quantidade de chuva, a possibilidade de deslizamentos de terra, inundações repentinas e inundações costeiras significativas, acompanhadas de ondas grandes e destrutivas.

Lusa

  • Açores sob aviso vermelho devido ao furacão "Alex"
    2:02

    País

    Os Açores estão sob aviso vermelho. O Alex já não é um ciclone, é agora um furacão de grau um. A intempérie aumentou a intensidade e vai atingir especialmente o grupo central dos Açores. O presidente do Serviço Regional da Proteção Civil e Bombeiros dos Açores (SRPCBA) disse hoje que todas as corporações dos grupos central e oriental estão de prevenção, deixando um alerta sobretudo para a agitação marítima na madrugada.

  • Portugueses e espanhóis protestam em Salamanca contra mina de urânio
    0:38

    País

    O Bloco de esquerda desafia o Governo português a exigir às autoridades espanholas uma avaliação do impacto ambiental da mina de urânio a 40 quilómetros da fronteira portuguesa. Este caso está gerar contestação entre os ambientalistas. Várias associações portuguesas participaram este sábado numa manifestação em Salamanca. A Quercus diz-se preocupada com o impacto da mina de urânio no território português.

  • PS e PSD querem acordo sobre fundos e descentralização até ao verão
    3:07
  • Assalto a Tancos e roubo de armas da PSP podem estar relacionados
    1:24

    País

    O assalto a Tancos e o roubo de três armas da PSP, recuperadas na semana passada, podem estar relacionados. O semanário Expresso avança hoje que há suspeitos de terem participado nos dois assaltos e o grupo, ou parte dele, atua principalmente do Algarve, com possíveis ligações a outras organizações espalhadas pelo país ou até transacionais.

  • As gravações que provam que as autoridades conheciam o perfil violento de Nikolas Cruz
    1:35