sicnot

Perfil

País

Progressão na carreira de dois mil polícias adiada pela PSP

Mais de 2 mil polícias que deviam progredir na carreira com o novo estatuto viram esta decisão adiada por nota informativa da direção nacional da PSP, situação que está a ser contestada pelos sindicatos, que ameaçam recorrer à Justiça.

(Arquivo)

(Arquivo)

Francisco Seco / AP

Segundo o estatuto profissional da PSP, que entrou em vigor a 1 de dezembro de 2015, os subcomissários e agentes há mais de um ano na fase experimental transitam, automaticamente, para a segunda posição remuneratória da carreira e categoria em que se encontram.

Numa nota informativa, divulgada através do portal social a 15 de janeiro, a direção nacional da PSP informe que os subcomissários e agentes nestas condições seriam colocados na segunda posição remuneratória em fevereiro.

No entanto, uma nova nota informativa, emitida no dia seguinte, veio substituir "quaisquer outras que tenham sido difundidas" sobre o processamento de salários e não faz qualquer referência à progressão na carreira destes subcomissários e agentes.

O presidente do Sindicato Nacional dos Oficiais de Polícia (SNOP), Henrique Figueiredo, disse à agência Lusa que o portal social da PSP divulgou duas mensagens diferentes sobre o mesmo assunto, o que causou alguma agitação, uma vez que, com a entrada em vigor do novo estatuto, os subcomissários e agentes, deviam ser automaticamente reposicionados.

Henrique Figueiredo adiantou que o atual estatuto introduziu esta novidade para os subcomissários e agentes, que esperavam que tal acontecesse a 01 de dezembro do ano passado.

O presidente do SNOP afirmou que o sindicato já pediu esclarecimentos à direção nacional da PSP, que alegou estar a tentar encontrar uma solução legal no âmbito do quadro vigente.

Henrique Figueiredo admitiu avançar para a justiça caso não se encontre uma solução, estando o assunto a ser analisado pelos advogados do sindicato.

Também o Sindicato Nacional da Polícia (SINAPOL) disponibilizou os seus serviços jurídicos para os polícias interessados levarem a situação a tribunal, caso não seja resolvida.

O presidente do SINAPOL, Armando Ferreira, adiantou à Lusa que o sindicato pediu esclarecimentos à direção nacional e deu conhecimento ao Ministério da Administração Interna para que intervenha na resolução da situação.

Segundo os sindicatos, cerca de 200 subcomissários e perto de 2.000 agentes estão há mais de um ano em fase experimental e deviam passar para a segunda posição remuneratória, tal como está previsto no estatuto.

De acordo com a última nota informativa divulgada no portal social, os polícias que, no âmbito do novo estatuto, vão ver o ordenado aumentado no final do mês de janeiro são aqueles que se encontram no primeiro índice de cada posto, representando cerca de 25 por cento do efetivo.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.