sicnot

Perfil

País

Estado podia ter poupado este ano 15 milhões com contratos com privados, diz Fenprof

A Fenprof defendeu hoje no Parlamento que os contratos de associação vão custar este ano ao Estado 15 milhões de euros a mais do que gastaria se tivesse feito uma opção pela escola pública.

(Lusa/Arquivo)

(Lusa/Arquivo)

LUSA

"Se consideramos apenas os contratos de associação, o financiamento anual de 140 milhões de euros e a distribuição de turmas do básico e secundário, concluímos que, este ano, o Estado gastará, no país, mais 15 milhões de euros do que gastaria se a opção fosse pelas escolas públicas", defendeu hoje o secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof), Mário Nogueira, perante os deputados da comissão parlamentar de Educação.

Numa audiência à federação sindical sobre a "promoção de uma escola pública de qualidade", o líder da Fenprof justificou estes valores com o número de turmas contratualizadas com os privados em regiões do país onde existem escolas públicas que não estão ainda no limite da sua capacidade.

A título de exemplo, referiu o concelho de Coimbra, dizendo que "foram entregues aos operadores privados 48 turmas" quando nas escolas públicas havia ainda capacidade para receber mais 80, questionando ainda que noutras regiões a oferta pública esteja significativamente abaixo das necessidades.

"Se em Pombal as escolas públicas só têm capacidade para mais cinco turmas e foi necessário contratualizar 24 com os privados, quem se esqueceu de construir escola ou escolas públicas no concelho em que tem sede o grupo GPS [que detém vários colégios privados]?", questionou Mário Nogueira.

O líder da Fenprof, que reafirmou que a federação entende que os contratos de associação com os privados devem existir sempre que não haja oferta pública que dê resposta às necessidades, fez questão, no entanto, de entregar aos deputados da comissão um DVD com a gravação de uma reportagem televisiva dedicada ao negócio dos colégios privados.

Mário Nogueira criticou ainda o novo modelo de financiamento aos colégios privados, criado ainda sob a tutela do ministro Nuno Crato, e que assenta em contratos plurianuais, afirmando que todo o peso da redução do número de alunos a frequentar o ensino que se espera para os próximos anos, consequência da quebra da natalidade, vai ser absorvido pelas escolas públicas, uma vez que os privados têm o financiamento assegurado nesses contratos.

Perante as afirmações dos deputados, com base em relatórios do Tribunal de Contas, de que o custo por aluno sai mais barato ao Estado no ensino privado do que no ensino público, a delegação da Fenprof que hoje esteve no parlamento contrapôs que esse custo mais reduzido "é feito à conta dos professores", com ordenados mais baixos, horários mais alargados e piores condições de trabalho do que os colegas do ensino público.

Lusa

NewsSubjects:- Educação - Escolas - Sindicatos de professores - Partidos e movimentos - Educação permanente - Ensino - Parlamento - professores - alunos

20160119T200711

  • Marcelo lembra as consequências da demissão de Vítor Gaspar
    1:06

    Caso CGD

    O Presidente da República reitera que o assunto Caixa Geral de Depósitos está fechado. Em entrevista à TVI, Marcelo Rebelo de Sousa lembrou esta segunda-feira as consequências que a demissão de Vítor Gaspar, ministro das Finanças em 2013, provocou no sistema financeiro para justificar o facto de ter intervindo na polémica com as SMS trocadas entre Mário Centeno e António Domingues.

  • PSD e CDS admitem chamar António Costa à nova Comissão de Inquérito à CGD
    2:37

    Caso CGD

    PSD e CDS admitem chamar o primeiro-ministro à nova Comissão de Inquérito à CGD. Apesar de ser uma hipótese, a SIC sabe que os dois partidos ainda estão a definir o objeto do inquérito e, por isso, afirmam que é prematuro falar sobre eventuais audições. Seja como for, António Costa voltou esta segunda-feira a dizer que o assunto está encerrado.

  • Acha que conhece o seu país?
    27:42
  • Avioneta despenha-se em centro comercial de Melbourne

    Mundo

    Uma avioneta com cinco pessoas a bordo caiu num centro comercial perto do aeroporto de Essendon em Melbourne, capital da Austrália. Segundo a polícia do estado de Vitória tratava-se de um voo charter com destino a King Island, situada entre a parte continental da Austrália e a ilha da Tasmânia.

  • Pelo menos 18 detidos em protestos no Rio de Janeiro

    Mundo

    Pelo menos 18 pessoas foram esta segunda-feira detidas no Rio de Janeiro, Brasil, depois de confrontos com a polícia durante um protesto contra a privatização da empresa pública de saneamento, que serve o terceiro estado mais povoado do país.

  • O momento em que Kim Jong-nam terá sido envenenado
    1:21

    Mundo

    A investigação ao homicídio do meio-irmão do líder da Coreia do Norte no aeroporto da capital da Malásia está a provocar uma crise diplomática entre os dois países. Esta segunda-feira, um canal de televisão japonês divulgou imagens das câmaras de vigilância do aeroporto que alegadamente captam o momento em que Kim Jong-nam terá sido envenenado.

  • O atentado na Suécia inventado por Donald Trump
    2:12
  • Os ensaios para a maior festa do ano
    1:16

    Mundo

    Em contagem decrescente para o Carnaval, no Rio de Janeiro, já começaram os ensaios para a maior festa do ano. A noite de testes na avenida Marquês de Sapucaí conta com desfiles gratuitos.